quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

"FELIZ ANO NOVO...DE NOVO!"

Receita de ano novo



Para você ganhar belíssimo Ano Novo

cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,

Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido

(mal vivido talvez ou sem sentido)

para você ganhar um ano

não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,

mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;

novo

até no coração das coisas menos percebidas

(a começar pelo seu interior)

novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,

mas com ele se come, se passeia,

se ama, se compreende, se trabalha,

você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,

não precisa expedir nem receber mensagens

(planta recebe mensagens?

passa telegramas?)



Não precisa

fazer lista de boas intenções

para arquivá-las na gaveta.

Não precisa chorar arrependido

pelas besteiras consumidas

nem parvamente acreditar

que por decreto de esperança

a partir de janeiro as coisas mudem

e seja tudo claridade, recompensa,

justiça entre os homens e as nações,

liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,

direitos respeitados, começando

pelo direito augusto de viver.



Para ganhar um Ano Novo

que mereça este nome,

você, meu caro, tem de merecê-lo,

tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,

mas tente, experimente, consciente.

É dentro de você que o Ano Novo

cochila e espera desde sempre.

                                  (Carlos Drummond de Andrade)

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

"VERNISSAGE/ MUITO ALÉM DO INFINITO (Pedro Valledepaz)




















   

Esses trabalhos foram feitos pelo meu filho Pedro (sete anos). Alguns ele mesmo criou e outros, foram fotos que ele distorceu causando esse efeito final. Ele acaba de me dizer que "depois vai me ensinar como se faz!"  Bom, pode ser que eu aprenda mas nunca ficarão iguais aos dele...

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

"RAPIDINHAS DO PEDRINHO!"

"ANTÔNIO SALVADOR...PRESIDENTE(?)"

O telefone tocou aqui em casa e fui atender:
-Alô?
-Alô, por favor, o senhor Antônio Salvador?
-Aqui não mora ninguém com esse nome, respondi.
-Ok. Obrigada!

Desligo e Pedro pergunta:
-Mãe, quem era?
-Sei lá, Pedro. Alguém procurando por um tal de "Antônio Salvador".
-ANTÔNIO SALVADOR, mãe? Ihhhh, ESSE É PRESIDENTE!!!

sábado, 4 de dezembro de 2010

Bruna Caram - Nascer de novo




Nascer De Novo (Bruna Caram)


É como se o tempo que eu levei

Pra saber tudo que sei

Provasse eu não saber nada

Por todo o caminho que andei

Pra cada passo que dei

Voltar ao início da estrada


E desfazendo cada defeito

Desvendando um jeito

Desenhando a saída

Que é pra viagem ser só de ida

Mas sem haver despedida


Te ter é como nascer de novo

Não reconhecer nada ao redor

Desatar o nó, quebrar a casca do ovo

A dura carapaça da dor


Por tudo aquilo qe já pequei

E cada ato que errei

É como estar perdoada(o)

E livre do que então carreguei

Cada cilada que entrei

De cada porta fechada


Viver trilhando o caminho certo

É olhar mais de perto

O universo em mim

Que é pra poder seguir a diante

Não me sentir mais distante


Te ter é como nascer de novo

Não reconhecer nada ao redor

Desatar o nó, quebrar a casca do ovo

A dura carapaça da dor


Tenha paciencia comigo

Saiba que ainda estou

Sem ver onde piso

é repentino e sem aviso

A terra perdida, a pele, a paixão ardida.


Te ter é como nascer de novo

Celebra o que em mim é maior

Minha nova instância

Descobrir a todo instante

Cada nuance do que é o amor


Te ter é como nascer de novo

Celebra o que em mim é maior

Minha nova instância

Descobrir a todo instante

Cada nuance do que é o amor




Por uma dessas distrações do destino, só esse ano fui "descobrir" essa cantora, Bruna Caram. Devo dizer que a identificação foi imediata. Me apaixonei logo de cara! Gosto de quase todo o seu repertório. Suas músicas viraram meu refúgio, aquele "ponto e vírgula" que é tão importante que a gente tenha na vida. Quando ouço suas músicas, assim como quando leio um bom livro, ou vejo um bom filme, são pequenos momentos que  me remetem a verdadeiros oásis. Momentos que são tão meus e dos quais não abro mão. Momentos onde posso redescobrir a minha essência, conversar com meus medos e renovar as minhas expectativas e esperanças. Momentos onde me "re-apaixono" por mim mesma e onde não preciso de convenções. Onde me ouço e me leio melhor. Momentos que adoraria que se perpetuassem "ad infinitum" mas sei, entendo, compreendo não ser possível. Logo, o alarme do carro dispara, o cachorro late, o filho chama...enfim, volto para a "roda viva" de um mundo que pede urgência. Um mundo do qual também faço parte, mas que, definitivamente não me cabe toda.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

"RAPIDINHAS DO PEDRINHO

"AMOR DE MÃE NÃO EMBELEZA CANJA!"

Fiz uma canja para os meninos dia desses, cheia de "amor de mãe". Pedro adora, Davi...nem tanto.
"-Pedro, Davi! Venham comer!"
Pedrinho corre, se senta e vai logo começando a comer. Davi vai se chegando aos poucos, desconfiado, olhando de lado. Pedrinho tentando animá-lo diz:
"-Davi, come, tá gostoso, né mãe?!"
E o Davi responde:
"-ECA!"
Pedro insiste:
"-Come Davi, tá gostoso, né mãe?!"
E o Davi...
"-EEECA!"
Pedro então complementa de modo que Davi não tenha mais "argumentos".
"-Ôh Davi, pode comer que tá gostoso, é verdade! É SÓ A APARÊNCIA QUE ESTÁ RUIM, NÉ MÃE?!"

sábado, 20 de novembro de 2010

"PORNOGRAFIA INFANTIL NÃO!'


CRIME VIRTUAL, VIOLÊNCIA REAL

"A PEDOFILIA É UMA DOENÇA QUE DEVE SER COMBATIDA NAS FAMÍLIAS, NAS ESCOLAS, EM TODAS AS INSTITUIÇÕES. A PREVENÇÃO DEVE SER FEITA COM EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO. E A PUNIÇÃO SÓ SE DÁ COM A DENÚNCIA E O RIGOR DA LEI."  Roseane Miranda sobre a prevenção e combate à pedofilia na sociedade



RELATÓRIO ANUAL DA ONG TELEFONO ARCOBALENO – ITÁLIA

Por Anderson e Roseane Miranda

09 de fevereiro de 2010
Roma, 9 de fevereiro de 2010 – RELATÓRIO SOBRE A PEDOFILIA.

A pedofilia na Internet aumentou 16,5% em relação ao ano de 2008.
São criados 135 novos sites de pedofilia na Internet por dia, e três grupos de pedofilia em redes sociais.

Este é o quadro que emergiu a partir do "14º Relatório Anual sobre Pedofilia on line" divulgado pela Telefono Arcobaleno (Observatório Internacional), que em 2009 fez 49.393 relatórios de 35 países.

A pedofilia online envolve crianças cada vez menores, apenas 1% das quais são identificadas, contudo, não existem dados efetivos sobre este mercado virtual, que realmente explora as fotos e filmes de abusos e atos de violência reais!

Apenas um site de pedofilia gera mais de 100 mil clientes - dos quais 60% são europeus. Do ponto de vista geográfico, a Europa e os Estados Unidos são os líderes em termos de difusão e consumo de matérias de pornografia infantil ou pedofilia.

Alemanha, Holanda, Estados Unidos, Rússia, Chipre, Canadá, Hungria, Suíça, Espanha e Tailândia estão no gráfico de posições como os dez países que mais hospedam os sites denunciados. Desses, mais de dez mil estão ligadas à Máfias da pedofilia (verdadeiros negociantes), confirmando o inquestionável comércio. E esta é a raiz da maior parte das atividades criminosas.

Os visitantes desse tipo de site, assim como os seus usuários são, em sua maioria norte-americanos, Alemães, Ingleses, russos e italianos.

Existe um verdadeiro exército que se movimenta diariamente na internet, caçando fotos, vídeos, contatos. Todavia, infelizmente, nada mudou na frente desse comércio execrável, que mais parece um trator gigantesco, que se consolida como o único setor capitalista que jamais sofrera com uma crise internacional!

As ofertas de qualificação e diferenciação desse comércio são sistemáticas, há uma contínua introdução no “mercado” de novos rostos (novas vítimas); assim como novos grupos (clubes etc). Há um uso maciço de todos os recursos possíveis para essa “promoção” – de forma direta e indireta.

Da mesma forma, se investe em planos de marketing que seriam invejados, até pelas mais prestigiadas multinacionais. "A coisa mais preocupante - afirma Giovanni Arena, presidente da Telefono Arcobaleno - é que a publicidade para as principais empresas (desse nicho) recentemente apareceu no fundo das imagens de abuso infantil, que também é um sinal de que a pedofilia online é impune e tolerada de tal forma que pode tornar a ‘pedobusiness’ apenas mais um novo negócio".

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

"DIA DE SOL, FESTA NO MAR E UM BOTEZINHO A DESLIZAR..."

Segunda, por do sol na praia em boa companhia, amiga de infância, filhos, sobrinhos...cenário perfeito para terminar um intenso e agradável feriado, até que...

"-Pai, aluga uma motinha prá mim?"

Pedro queria brincar com um daqueles "botes infláveis" que se alugam na beira da praia. O tempo não estava muito firme, o mar "puxava" mas...bom, lá foi o Pedro com os primos, Henrique e Vitória, alugar o tal bote. Como eram três crianças, Pedro ficou com um modelo que parece um Jet Ski e os primos pegaram um modelo parecido com uma lanchinha. Estavam super empolgados para entrarem na água, mas quando não tinha nem uns dez minutos que tinham entrado, escuto a minha cunhada gritando:

"-Henrique, Henrique, olha o bote!" Eles (Henrique e a irmã) se descuidaram e o bote foi indo, indo, indo...
E agora? Quem vai pegar o bote? A praia não estava cheia. Não tinha caiaque, nem barquinho, nem jet ski...O que fazer? Pior que o danado do bote foi-se embora deslizando mar afora numa rapidez impressionante. Em poucos minutos já era só um pontinho preto distante.Já era...

Minha amiga foi com o meu sobrinho até o rapaz que alugava os botes e informou o que tinha acontecido. Ele obviamente não gostou nada, nada...disse que ainda recomendara cuidado devido as condições do mar, que por isso sempre pedia a presença de um responsável na hora do aluguel, e coisa e tal...enfim, teríamos que pagar uma multa de 40,00 pelo bote. Pensamos: "bom, dos males o menor, ainda bem que não tinha nenhuma criança dentro do bote!" Como não queríamos nos estressar (mais,né?!) ainda ficamos por um bom tempo na praia, tentando recuperar a "paz" perdida. Mal sabíamos que, seria tempo suficiente para nos surpreendermos com o que veríamos a seguir.

Na hora em que o bote começou a ir para alto mar, só havia uma pequena lancha parada na praia. Estava bem próxima a nós e com certeza seus ocupantes devem ter assistido a tudo, ainda que não tivessem esboçado o menor sinal de que pretendiam nos ajudar. Pois foi justamente essa mesma lancha que, passados cerca de quinze minutos do ocorrido, vimos atravessar toda a praia e ir em direção ao bote. Ficamos então, na expectativa de que a lancha fosse pegar o bote. Nessa hora, meu sobrinho me perguntou: "Tia, você acha que se eles pegarem o bote vão devolver?" Foi aí então, que começamos um verdadeiro "bolão" para ver quem acertaria qual seria a atitude dos ocupantes da lancha. Confesso que eu bem empolgada, quase no mesmo tom do último discurso de "Martin Luther King", respondi para o meu sobrinho: "Eles vão devolver sim, Henrique! Ainda acredito no ser humano!"

Quando a lancha se aproximou do bote, rodou, rodou...parecia que era um resgate difícil, o que aumentava ainda mais a nossa expectativa. Finalmente quando a lancha se moveu outra vez, não vimos mais
o bote na água. Eles tinham pegado o bote! Ôba!

Para nossa surpresa e decepção, a lancha se moveu justamente em direção ao alto mar e não em direção a praia. Simplesmente eles viram tudo o que aconteceu, foram lá pegaram o bote e foram embora. Nossa! Ficamos todos perplexos...cheios de exclamações! Era impossível acreditar que eles fariam isso. Que tipo de gente é essa que "vai dormir mais feliz" por ter "faturado" um botezinho inflável na praia? E no meio de tanta incredulidade, o meu sobrinho me pergunta de novo, instantaneamente: "E aí Tia? Ainda acredita no ser humano?" Confesso que não consegui lhe responder...como poderia argumentar alguma coisa depois dessa cena? Vou precisar de tempo para repensar alguns conceitos e depois te responder, Henrique. Por enquanto fico te devendo a resposta. Gente estranha...mesmo.

domingo, 26 de setembro de 2010

"SOU MULHER E SEI DAR TRANCO!"

     Sexta-feira quando fui pegar o meu marido na volta do trabalho, tivemos a original idéia de comermos uma pizza. Os hábitos, né?! Ahhh, os hábitos...o que seria a vida sem eles!!
Como as crianças estavam em casa, achamos melhor pararmos na pizzaria e fazermos o pedido "para viagem". Assim, enquanto a pizza ia ficando pronta, teríamos a oportunidade de fazermos um "mini happy hour".
      Dando sequência ao nosso cronograma, pegamos a pizza, entramos no carro e para nossa surpresa, sabe o que aconteceu quando girei a chave? Nada! Isso mesmo. Absolutamente nada!
     Tento mais uma vez, mais duas, mais três..."mas como assim? Isso nunca aconteceu antes?"(com esse carro,né!)
     Meu marido, que consegue entender de carro menos do que eu, deu a "prática" idéia de deixarmos o carro lá e depois veríamos o que faríamos. Como a noite estava nublada, não entendi essa rápida decisão como um lampejo de romantismo, onde poderíamos ir a pé para casa admirando a Lua.
     Olhei para o painel do carro e conclui "brilhantemente" que era a bateria.
     " Ãh...e aí?"  disse o Daniel  
      "E aí, vamos empurrar que pega!" respondi.
     Chamamos dois rapazes da pizzaria para nos ajudar. Quando um deles viu  que era eu quem estava no volante, perguntou para o Daniel se eu "sabia dar tranco". Além dele achar que eu não sabia, também deve ter pensado que eu era "surda e muda". Não vejo outra razão para que não tenha perguntado PARA MIM.
     Quando eles começaram a empurrar, entrou um motoqueiro na minha frente. Fiquei com medo de atropelá-lo e acabei não soltando a embreagem do modo que deveria. Para minha surpresa, esse motoqueiro era um senhor que também trabalhava na pizzaria e, contornando o carro, abaixou-se em direção a mim e disse para os outros rapazes: "AHHH, ASSIM NÃO VAI PEGAR, NÃO!!"
     Quando vi aquilo pensei: "Agora é questão de honra!" e falei para o Daniel: "Vamos de novo! Para trás! Para trás!"
     Nossa! Era visível a descrença daquela homarada. Senti o peso da responsabilidade nas minhas costas. Muita coisa ali estava em jogo e eu não podia falhar. Me concentrei e lá fui eu mais uma vez tentar fazer com que eles enxergassem além do fato de eu ser uma mulher. Queria mostrar que o "livro" onde eles leram que, "fazer um carro pegar no tranco" é coisa de homem,era desconhecido para mim.
      De novo eles empurraram e, sem ninguém entrando na frente, ou melhor, atrás, o carro pegou rapidinho.Um dos rapazes que empurrava o carro, ficou em êxtase e começou a zoar o outro senhor que tinha entrado na minha frente com a moto: "Aí, quem disse que não pegava? Há,há,há" (Tadinho! Senti que ele estava mesmo torcendo por mim desde o começo).
      Fiz o contorno e parei em frente da pizzaria. Agradeci aos rapazes e disse para o "tiozinho": "Só podia ser mulher,né tio?! Só podia ser mulher..." Todos os outros rapazes riram e eu, dei uma buzinadinha e acelerei feliz de alma lavada!
      O quê que há? "Sou mulher e sei dar tranco! Ôh, se sei..."

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

"I THINK ABOUT THAT..."

As eleições estão chegando, e eu, devo confessar, adoro acompanhar esse processo. Leio tudo que posso sobre e, modestamente, estou sempre por dentro "dos bastidores" da política atual. Pois bem! Se tem uma notícia que me saltou aos olhos por esses dias, foi o relato que o presidente Lula fez durante um comício em MS, sobre um almoço que ele teve em 2002, com a "alta cúpula" do jornal A Folha de São Paulo. Segundo Lula, em um determinado momento durante esse almoço, o diretor da "Folha" pergunta, se ele se sentia preparado para assumir a presidência do Brasil, uma vez que, nem inglês falava. Lula respondeu perguntando, se por um acaso, Bill Clinton falava português. Como eu acredito que, esse diretor não seja uma pessoa burra, que ele saiba que o conceito do que é inteligência, seja algo muito mais abrangente do que apenas um curso de inglês no currículo, só posso concluir que, a sua intenção era humilhar Lula fazendo essa pergunta.Talvez se sentindo legitimado por sua condição econômica privilegiada, ele tenha se "esquecido" que o dinheiro compra livros, mas nem sempre compra sabedoria.


Sei que esse diretor da "Folha" jamais lerá esse meu humilde e despretensioso bloguinho. Mas, nas minhas "navegações" pela internet, encontrei um post, no blog do dramaturgo Domingos Oliveira, (dodomingosoliveira.blogspot.com ) que cairia como luva (talvez de pelica), em resposta a sua prepotência. Veja um trecho:

"Todo homem é esplêndido, BURROS ou inteligente, todo ele contêm o universo.

Umas das primeiras obrigações da inteligência é, exatamente, reconhecer este fato simples.

Excusado igualmente observar que a inteligência nada tem a ver com a cultura ou o nível de informação de cada um.

Pelo contrário, entre homens cultos de modo geral é encontrado um índice de burrice estonteante.

Em contrapartida verifica-se que a ignorância e a pobreza tem constituído campo fértil para o aparecimento das grandes almas.

A propósito, alma é sinônimo de inteligência.

Difícil conceituar a inteligência, porém fácil reconhecer-lhe atributos a primeira delas é, sem dúvida, a humildade. Humildade é sinônimo de inteligência.

O homem sábio sabe que não sabe.

Ao passo que o BURRO é arrogante. Considera-se possuidor de algum saber e, conseqüentemente, superior aos outros BURROS que sabem menos.

Atenção: o BURRO compete, julga,condena e, muitas vezes, mata.

No entanto com a inteligência acontece justo o contrato.

A despeito de si mesmo, ela ama.

(...)Quem é inteligente sabe que é.

Já o BURRO desconhece sua burrice.

Isto seria um drama, se não fosse uma tragédia.

Posto que o BURRO, no fundo do seu ignorado esplendor, sente que lhe falta algo, algo que o inteligente possui.

Neste momento advém, soberana, a inveja. A inveja dos burros.

Como se não bastasse ser diferente, o BURRO passa a odiar o inteligente.

No entanto com a inteligência acontece justo o contrário. Ela sempre se reconhece! O homem inteligente não inveja e sim compraz-se, exulta quando vê brilhar uma inteligência igual ou maior que a dele.

Os inteligentes, além de terem entre si grande amor e admiração, plageiam-se constantemente, sem o menor pudor.

Não tentam ser originais.

Sabem que são... Um só. Um só acidente da natureza.

Ou terá sido seu recurso de emergência? Do qual a natureza lançou mão para cuidar da sobrevivência da espécie, antes que os burros a destruam? "

OBSERVAÇÃO: Não sei em qual candidato Domingos Oliveira votará para presidente. Esse post, ele escreveu em Julho de 2008, no blog dele. Ou seja, NÃO tem nada a ver com o caso ocorrido em 2002 com o Lula, nem com o Lula. Somente citei seu belíssimo texto para que ilustrasse meu post e ajudasse a expressar A MINHA OPINIÃO!

terça-feira, 17 de agosto de 2010

"RAPIDINHAS DO PEDRINHO!"



     A lógica infantil é no mínimo, uma coisa muito curiosa:
     Estava brincando de "O que é, o que é ?" com o Pedro e o Davi, e perguntei para o Pedro:
    -Pedro, o que é que "cai  em  pé e corre deitado"? Como chovia na hora, fiquei olhando pela janela, para que ele percebesse a "dica". Foi então que ele olhou também pela janela e respondeu:
     "-AHH, É O PAI!!"
     E para completar quando perguntei, "o que tem dentes mas não morde?", ele respondeu:
     "É O...VÔ!!"

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

"MACHO SENSÍVEL"

     Hoje é quarta feira, mas a declaração feita pela atriz Maitê Proença, no domingo, no blog do "Estadão", ainda ecoa.


Blog do Estadão: Já decidiu seu voto? O que acha das atuais opções para a Presidência da República?
Maitê Proença: Gosto da Marina e do Serra.
Blog do Estadão: O feminismo já era ou a mulher ainda precisa lutar contra as discriminações da sociedade?
Maitê Proença: A mulher ainda é tratada como escrava na África, Ásia, países árabes, na maior parte do planeta. Só no ocidente houve progressos, muitos, mas ainda há discriminação. Quem sabe a própria venha a calhar nesse momento de eleições, atiçando os machos selvagens e nos salvando da Dilma? ( http://viomundo.com/)

Fico me perguntando, como pode uma pessoa com tamanha visibilidade nacional, que transita facilmente por diversos meios de comunicação, (os mais importantes do país), ter tanto desleixo, tanta irresponsabilidade com o que fala. Apesar de, ser só mais uma "asneira" do seu repertório que vai se tornando extenso, não deixou de causar polêmica. Será que ela desconhece a dimensão que um comentário infeliz desses possa ter? Sim, porque foi no mínimo infeliz. Principalmente se levarmos em conta que, esses "MACHOS SELVAGENS" que ela "conclama", são da mesma categoria (Cuidado Maitê! A classificação é muito abrangente!) dos "machos selvagens" que matam de duas a três mulheres por dia no país. Uma verdadeira epidemia que ela, em se dizendo mulher inteligente, tenho certeza que condena.

Agora, gostaria de apresentar uma outra categoria de "macho" que talvez Maitê não conheça; o "MACHO SENSÍVEL"



Esse é Márcio Nakashima, num momento de extrema tristeza e dor ao constatar que, depois de vários dias de procura, é sim de sua  irmã (Mércia Nakashima), o corpo que foi encontrado boiando na represa de Nazaré Paulista.

domingo, 8 de agosto de 2010

"AOS 21, ERA MUITO MAIS FEMINISTA DO QUE SONHAVA A MINHA VÃ FILOSOFIA!"



Quando li a notícia no blog da Lola (http://escrevalolaescreva.blogspot.com/2010/08/concurso-de-blogueiras-no-ar.html ) de que haveria um concurso para blogueiras com o tema, "A origem do meu feminismo", comecei a refletir até que ponto eu sou feminista, se é que sou. Apesar de ter minhas opiniões e convicções, não gosto muito de "rótulos". Prefiro ter a liberdade de ser "essa metamorfose ambulante". Mas, acontece que, numa breve análise da minha vida, acabei me dando conta de que a época em que "fui" mais feminista até agora, foi aos 21 anos. Época em que, talvez, eu nem tivesse a consciência de que tudo que estava vivendo, estaria colocando à prova, todos os meus mais camuflados e desconhecidos "instintos feministas". O curioso é que só agora, consigo enxergar por esse ângulo. Bom, antes tarde do que nunca!
Na ocasião, meu pai, que era um pequeno comerciante e chegou a ter cinco lojas espalhadas por diversas cidadezinhas da região serrana no interior do estado do Rio, precisava de alguém que o ajudasse e, lá fui eu, com 21 anos de "mala e cuia", para uma dessas cidades, (que tinha 16.000 habitantes) tomar conta de uma das lojas.
No começo achei tudo meio estranho, mas depois pela própria natureza camaleônica que acredito que o ser humano tenha, acabei me adaptando. Morava sozinha, tinha meu carro (velho, mas tinha) e tomava conta da loja que tinha três funcionárias. Almoçava em um restaurante self-service, (ou na loja mesmo) e tinha uma diarista. Ou seja, não dependia de ninguém. Eu mesma tinha conseguido montar uma pequena estrutura para viver ali, naquele lugar. O que eu não imaginava é que isso despertaria a curiosidade de tantas pessoas. Instalou-se uma "COMISSÃO PERMANENTE E ESPECULATIVA DE INQUÉRITO" que tinha como OBJETIVO tentar descobrir "QUAL ERA O PECADO QUE EU PODERIA CARREGAR". Sim, porque "moça nova, solteira e morando sozinha...huuum, aí tem! Uma vez, quando minha mãe foi me visitar com minha sobrinha, cogitaram até a possibilidade da menina ser minha filha, e eu esconder "esse escândalo"! O negócio era descobrir o quê havia de errado comigo. A imaginação ia longe! E para ajudar a confundir ainda mais essas "mentes brilhantes", eu era totalmente desprovida de vaidade (hoje sou mais mocinha, tenho até orelha furada) não usava maquiagem, minhas roupas eram básicas,(muito jeans e camiseta) e achava que, com um metro e oitenta de altura e cabelão liso quase pela cintura, não precisava me "enfeitar" muito para aparecer. Aliás, nunca gostei mesmo de chamar a atenção. Fato era que, esse "meu jeito" causava estranheza para a "COMISSÃO". A coisa ainda piorou bastante quando chamei uma amiga minha (que mais parece a Penélope Charmosa, de tão vaidosa), para me ajudar na loja, já que ela estava desempregada. Pronto: "Olha lá, não falei? Não disse que ela era estraaanha?! É SAPATÃO..." E depois, quando a gente começou a namorar? É...eu namorava um rapaz e ela outro, é bom explicar, né? Aí, a "COMISSÃO" surtou de vez. Imagina as carinhas: "Esse mundo está mesmo perdido!"
Apesar de eu saber dos comentários, não me importava (sabia que eram apenas de algumas pessoas que "odiavam gatos"). Fiz ótimos amigos lá, com quem tenho contato até hoje e depois; nunca me intimidei e deixei de não ir a qualquer lugar que eu queria ir, nunca deixei de andar com quem eu queria andar e recebia na minha casa, aqueles que eu achava que deveria receber. E mais...nunca mudei meu modo de vestir, ou meu comportamento por qualquer tipo de pressão externa, nem quando cheguei a namorar rapazes de lá. Quando logo no começo, percebi que "pagaria" um preço por ser, primeiro de tudo, mulher,(acredito que se fosse um rapaz na minha situação, não haveria tanta especulação), solteira e morando sozinha numa cidade pequena e bastante provinciana, resolvi ser mais determinada e me impor. Nunca cedi um centímetro do que eu achava justo e certo "ser e fazer", em nome de ninguém e nem por nada que eu não acreditasse.
Talvez esse tenha sido efetivamente "o meu primeiro encontro com meu feminismo". Hoje, devo confessar que não tenho mais a impetuosidade daqueles tempos mas a essência, continua a mesma. Não consigo admitir nenhuma situação onde a mulher é julgada, condenada ou execrada, muito mais pelo fato de ser uma mulher, do que propriamente por alguma coisa que ela tenha dito ou feito. Se isso é ser feminista, então... "prazer em me conhecer!" Sou sim, FEMINISTA!

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

"PARA O MEU PAI!"



Essa música do U2, diz muito do que era a minha relação com o meu pai. Apesar de amá-lo incondicionalmente, admirá-lo por toda a sua coragem e histórico de vida, nem sempre era um relacionamento fácil. "Talvez se não fôssemos tão parecidos...talvez se ele não quisesse sempre fazer tudo sozinho, ou da maneira dele...talvez, talvez, talvez! Saudade PAI! Essa é prá vc...como disse o "Bono" no show em 2006 aqui no Brasil, "paro o mi... meo pai!" (ele não soube pronunciar corretamente, mas com certeza a emoção que ele transmitiu quando cantou essa música, foi perfeita!)

Sometimes You Can't Make It On Your Own
U2 (tradução)

Teimoso, você acha que entende das coisas
Você diz pra mim e pra qualquer um
Que você é duro o suficiente

Você não tem que resistir
Você não tem que estar sempre certo
Deixe que eu levo alguns golpes
Por você essa noite

Ouça o que eu tenho pra te dizer agora
Eu preciso que você saiba
Você não tem que aguentar tudo isso sozinho

E é você quando eu olho no espelho
E é você quando eu não atendo o telefone
Às vezes você não consegue fazer tudo sozinho

Nós brigamos o tempo todo
Eu e você... está tudo bem
Nós somos a mesma alma
Não preciso... Não preciso ouvi você dizer
Que se não fossemos tão parecidos
Você gostaria de mim um pouco mais

Ouça o que eu tenho pra te dizer agora
Eu Preciso que você saiba
Você não precisa aguentar isso tudo sozinho

E é você quando eu olho no espelho
E é você quando não atendo o telefone
Às vezes você não consegue fazer tudo sozinho

Sei que não conversamos
Já estou cheio de tudo isso
Você pode me ouvir quando eu
Canto, você é a razão de eu cantar
Você é o motivo pela opera estar em mim

Onde estamos agora?
Eu tenho que te deixar saber
Uma casa não é necessariamente um lar
Não me deixe aqui sozinho

E é você quando me olho no espelho
E é você que faz isso ser difícil de passar
Às vezes você não consegue fazer tudo sozinho
O melhor que você pode fazer é fingir
Às vezes você não consegue fazer tudo sozinho

domingo, 25 de julho de 2010

"CORDEIRO FELIZ-CIDADE!"

sexta-feira, 23 de julho de 2010







                                           fotos.blogspot.com/2009_05_01_arc



Cordeiro é uma cidade "encravada" nas montanhas do interior do estado do Rio, bem ali no "centro norte fluminense". Deve ter agora, uns vinte ou vinte e cinco mil habitantes, se muito. E, por essas idas e vindas do destino, acabei morando por uns tempos nessa cidade. Meu pai, que era comerciante, abriu uma loja de roupas, também lá, e eu fui, com "vinte e um aninhos", tomar conta da loja. Foi uma experiência bem interessante. Na época, morava sozinha, e tive que aprender a dosar liberdade com responsabilidade.

Sabe, às vezes fico pensando...como a gente é "valente" aos vinte e um, né?! Nossa! Se pudesse voltar a ter um pouco da impetuosidade que tinha nessa idade. Tá, tudo bem...se pudesse ter "a pele" também dessa idade, não seria nada mal. Hoje, na casa dos "trinta e monte", para tomar uma decisão, penso, pondero, não penso mais só por mim, afinal vieram os filhos, discuto com o marido, vira um verdadeiro "fórum de idéias" que, ás vezes, não saem do papel. Normal...só que de vez em quando, sinto saudade do: "PENSOU, GOSTOU, FOI LÁ E FEZ!" Assim mesmo; de "prima", "PÁ!"

Nessa época, ( ih, tô cheia de "nessa época") não fiz muitos amigos em Cordeiro, (conhecia muita gente de "oi") mas fiz alguns amigos muito bons, com quem tenho contato até hoje. Pessoas realmente muito queridas para mim, que pretendo rever amanhã, na famosíssima EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DE CORDEIRO. Êta festa boa, sô! Já fui muuuito!! O curioso é que, essa exposição agropecuária, não tem rodeio. Pelo menos não tinha. De dia, têm os concursos dos bichos, coisa e tal, e de noite são os shows. Amanhã quem canta lá é Nando Reis, que gosto mais como compositor, do que propriamente como cantor mas, "tá valendo". Iria até se fosse forró. Me perdoem "as Joelmas e Ximbinhas de plantão", mas não consigo gostar de forró, e olha que o meu gosto musical é até que bastante eclético.

Estou preparadíssima e ansiosa para ir a Cordeiro, essa FELIZ CIDADE que guarda tantas histórias minhas. Foi lá por exemplo, que conheci meu marido, e foi lá também que ele viu um boi "ao vivo" pela primeira vez, não necessariamente nessa ordem! Isso daria um outro post, como daria um outro post também, o "enterro do carnaval de Cordeiro", na quarta de cinzas, as festas de "reveillon" na pracinha, e os "bailes do Hawaí, no único clube da cidade, no "morro da piscina"...enfim, como diria o "calabocagalvão": "HAAAJA CORAÇÃO, AMIGOS!!"

Então tá combinado: sábado, alto astral, rever amigos e se divertir bastante com esse revival muito especial! Beijo e... não me liga porque vou estar muito ocupada.CORDEIRO? Aí vou eu!!

"...todo mundo espera alguma coisa, de um sábado a noite!"

sexta-feira, 23 de julho de 2010

"UM DIA 'QUASE' PERFEITO DE FÉRIAS!"

     Nem bem o Pedro entrou em férias e já colocamos o pé na estrada. Fomos correndo para a casa da vovó! Nesse caso, a "casa da vovó", também é por tabela, a "casa do tio, da tia e dos primos". Os ares por aqui são os mais estimulantes possíveis para os meninos (Davi e o Pedro). Meus sobrinhos, além de saberem tocar instrumentos, (Aline toca guitarra, violão e tem uma banda de rock. David Lucas, toca bateria e agora está começando a aprender gaita) são atores. Minha cunhada é produtora de teatro, atriz, cenógrafa...e se precisar, pelo amor ao teatro, ela borda, chuleia e...o que eu acho mais importante, tem uma paciência de "Jó" com as crianças. Aonde ela vai, parece o "Flautista de Hamelin"; vai aquele monte de "bacurizim" atrás. Ah, e prá completar, tem o meu irmão que é radialista, e dá vida a inúmeros personagens no seu programa diário de rádio. Enfim...difícil voltar para casa sem muitas histórias para contar. A programação é extensa!
     No domingo, enquanto eu levava a vovó para passear, minha cunhada foi com os meninos e  com a outra sobrinha que veio comigo, a Carla, ao "Planetário da Gávea". É o que eu chamo de programa "BBB" : "BOM,BACANA E BARATO!" Prá começar, assistiram a uma peça no Teatro Maria Clara Machado chamada; "IGI, a árvore da vida."  
                                                                                                                                                                Dois menestréis chegam para apresentar um espetáculo, mas em função de uma amnésia de ambos, precisam ser ajudados pelo bom e velho baleeiro da platéia que conta uma lenda ancestral: IGI: A ÁRVORE DA VIDA.
Essa história fala de OJÚÀRE (olhos inocentes), um jovem rapaz que, para recuperar a saúde e felicidade de sua mãe OKANÌFÉ (coração de amor), e aconselhado pelo adivinho da aldeia, vai encontrar a “folha da vida” que habitava no ponto mais alto da copa da árvore mais antiga da Aldeia: O BAOBÁ.
Nessa viagem ele encontra alguns amigos e vários obstáculos, conseguindo sempre superá-los através da inteligência e dos bons sentimentos.
Ao fim dessa intrépida viagem, ele não encontra exatamente o que espera, mas algo muito mais valioso, que transforma completamente os rumos de sua vida.
Pedro (6 anos) entendeu e gostou de tudo. Já o Davi (2 anos), oscilou entre o
 encantamento e a impaciência.
Depois da peça, a "festa" continuou com os planetas. Pedro demonstrava toda a sua sabedoria sobre o assunto. Ia andando e apontando com o dedo, fazendo comentários pertinentes...quase um astrônomo! (Êh, mãe besta....) 


No final do programa, na hora em que minha cunhada, Denise, se despedia dos seus amigos atores, eles foram muito carinhosos, principalmente com o Davi por ser o menorzinho. Não vejo nada demais nisso. Mas...Pedro enciumado, não perdoou e, quando já no carro, a tia perguntou: "E aí, Pedrinho? Gostou? Ele respondeu "emburrado": "mais ou menos,tia...ninguém me deu tchau!"  Ahhhhh, tadinho! Haja psicologia!  


(PLANETÁRIO DA GÁVEA/RUA PADRE LEONEL FRANCA,240-GÁVEA/RJ)

quarta-feira, 7 de julho de 2010

CINEMA COM CANAL 100 (BOAS LEMBRANÇAS)

Tudo que eu gosto, coloco na "GAVETA". Por isso, meu irmão (que veio de looonge me visitar) também está  aqui! . Será que você também se  lembra do CANAL 100 antes da exibição dos filmes no cinema? Não? Então dá uma olhada...Olha só o que ele escreveu:


  
   "Em meados da década de 70, lembro-me com prazer das sessões vespertinas no antigo cinema de minha cidade que, como inúmeras outras salas do gênero, acabou virando bingo e depois, igreja.
   A galeria em que ficava a tal sala, (que era para 1200 pessoas, algo incomum numa cidade do interior, na época), era enorme. Não sei se a galeria era enorme de verdade, ou se nós é que ficávamos fascinados com o local. O fato é que, tinha de tudo nas lojas que se dispunham simetricamente lado a lado: sorveteria, bomboniere, jornaleiro, loja de roupas e calçados, bares... 
   Na entrada do "Cine", ao final da galeria, avistava-se uma grade tipo "porta pantográfica" de 6 metros ao lado de um par de roletas barulhentas.
Esperávamos pelos colegas do Colégio Jesuíta ou pela namoradinha que às vezes não aparecia, porquê o pai não tinha deixado, e entrávamos pelas não menos imponentes portas principais pesadíssimas. 
Pronto. Ía começar a sessão...antes do filme, propaganda obrigatória dos governos da ditadura militar e, o CANAL 100. 
   Nós, que não tínhamos acesso aos memoráveis jogos do Estádio Mário Filho, o Maracanã, assistíamos as produções como se estivessem acontecendo naquele momento, ao vivo, com direito a grito de torcida e tudo. As jogadas dos grandes craques, as torcidas maravilhosas, num "Maraca" que recebia até 150 mil pessoas e a narração de Cid Moreira, novinho na época...A molecada de hoje diria: "que mico!". Só que jamais sentirão o que sentimos. Jamais viverão o que vivemos nos idos dos anos 70. Que bom! Cada jovem vive sua história de maneira diferente!"                            
                                                            (David Rangel)

terça-feira, 6 de julho de 2010

"QUEM ESTÁ REALMENTE NU?"

E quem disse que Maradona não ficou "pelado"??
(download da foto:www.ideodesign.com.br/maradona.jpg)

Na verdade, essa montagem é baseada na obra (BIG MAN) do escultor "Run Mueck".  

"Mueck" tem 52 anos, é australiano, (nasceu em Melborne) e é um artista muito conhecido no mundo todo pelas suas esculturas hiper-realistas. Esculturas que, principalmente as que retratam pessoas nuas, são muito instigantes. Não pela nudez em si, mas pela riqueza de detalhes que possuem, pelas expressões faciais reproduzidas fielmente e, sobretudo pela profundidade que todas têm. Impressionante como parecem nos perguntar o tempo todo,"quem está realmente nu!"  


Aqui,"Mueck" começando uma de suas obras "mulher grávida". Primeiro ele faz a maquete pequena e em barro e depois...
...fica assim!

Mais algumas obras desse trabalho sensacional...
(Mueck ficou conhecido ainda, por causar muita polêmica quando retratou o próprio pai morto e pelado na obra "DEAD DAD")

sexta-feira, 2 de julho de 2010

"VAMOS BRINCAR DE ESTÁTUA?"



































...nos vemos na COPA DE 2014!!!!
                                                                                            
(ILUSTRAÇÃO DE CEÓ PONTUAL)

terça-feira, 29 de junho de 2010

RAPIDINHAS DO PEDRINHO (CQC 28/06/2010 - Danilo Gentili apanha no proteste já )



Quando estava passando essa matéria, meu filho Pedro, de seis anos, assistia comigo e disse, com jeito de quem não estava entendendo nada:
"-Mãe, por que eles estão batendo nele (Danilo Gentili)?"
Respondi: "-É porque ele foi fazer uma reportagem sobre o barranco que está ameaçando cair na escola, Pedro.
E ele continuou inconformado: "-Mas, só por isso?"
E, em seguida, do alto da sua inteligência pueril, acabou por concluir: "-Ahhhh mãe...VAI VER ELES SÃO BANDIDOS DISFARÇADOS DE POLICIAIS!"

Agora, quem sabe se esses policiais de São Bernardo, podem me ajudar no seguinte dilema: É melhor deixar o meu filho com a "doce ilusão" que bandidos estavam se passando por policiais, ou conto a verdade. Que vocês são realmente policiais, agindo como se fossem bandidos?

sábado, 26 de junho de 2010

"PRAZER EM APRESENTAR; MINHA AMIGA LENE!"

Hoje o sábado amanheceu "chochinho" demais e é impressionante como, quando você tem alguma coisa que te aflige, esses dias têm a capacidade de potencializar essa sensação.
Tenho uma amiga "meio irmã, meio anjo da guarda",(às vezes, acho mesmo que ela levou um tropeção lá no céu e acabou caindo aqui) que está passando por um problema sério (caso de doença na família) e sei que, se eu estivesse por perto, poderia ajudá-la. Mas...não posso porque moro muito longe. Não posso por causa dos meus filhos pequenos. Não posso porque...NÃO POSSO! NÃO POSSO! Esse "eco" reverbera na minha mente o tempo todo e me sufoca! O que me dá mais agonia é que, por várias vezes (muitas) na minha vida, ELA PÔDE! ELA PÔDE! ELA SEMPRE PÔDE...
Lene é minha amiga de infância. É a irmã que escolhi ter. Com ela "arquitetei" as minhas melhores travessuras de infância, compartilhei as inúmeras inseguranças da adolescência e vivi muitas, mas muitas histórias da juventude. Depois, me mudei, casei e...sempre a convidei. Mas a frequência com que nos vemos hoje, se tivermos sorte, é uma vez por ano.
Sinônimo de mulher bonita, Lene é inteligente e simpática. Pessoa de sorriso fácil...impossível não se deixar contagiar. Pena que os homens ainda não "perceberam" isso e ela está solteira. Ela diz que tem o tal "dedinho podre" para homens. Pois eu acho que "podres" são eles que não percebem o que estão perdendo. Quando ela namora, é super dedicada, carinhosa, se envolve totalmente. Vai ver, o problema é esse: "amor em excesso". Quando poderíamos imaginar que "amar demais", se tornaria um problema? Não concordo com quem diz que, às vezes ,"amor demais" pode sufocar. O que sufoca é possessividade, opressão, manipulação ou qualquer outra neurose que nada tem a ver com AMOR.
Outra de suas virtudes, facilmente percebida pelos seus amigos, é o poder que ela tem de se "doar". Ela é completamente desprendida de qualquer preguiça quando alguém precisa de sua ajuda. Ainda me lembro há oito anos, quando meu pai faleceu, a primeira pessoa para quem eu liguei, depois do meu irmão, foi para a Lene. Logo depois, ela já estava na minha casa e me acompanhou incansavelmente por todo aquele longo e sofrido dia. E mais, durante a semana, passava toda tarde, depois do trabalho, na minha casa para tomar café comigo e com a minha mãe, num ato de extrema gentileza. Não há como não se sensibilizar com esses "pequenos grandes" detalhes que fazem a diferença.
Todas essas qualidades, e muitas outras, fazem dessa minha amigona uma pessoa muito especial. O que só aumenta a minha aflição de não poder estar com ela nesse momento. Espero que ela me perdõe por, mais uma vez, não poder retribuir todo o carinho que ela sempre teve por mim. Às vezes, a vida nos arruma essa "presepada". Nos separa das pessoas que nos são mais queridas. Verdadeiras "ciladas" do destino.


(Bom...agora vou correndo ao "msn" atrás de novas e, espero eu, boas notícias!)

sexta-feira, 25 de junho de 2010

ENCONTRO GRAMATICAL

Esse texto, recebi de uma amiga minha de longa data. A vantagem de se ter amigos assim, é que eles sabem direitinho do que a gente gosta, do que nos "cai bem". Quando li, adorei!! Achei super criativo e já saí mandando para várias pessoas. Sou assim;quando recebo alguma coisa legal, já quero logo repassar...mas como também "guardo" na minha"GAVETA" tudo que eu gosto, (coisas que escrevo, leio, vejo, ouço falar...enfim, tudo que acho interessante) resolvi postar esse texto aqui. Infelizmente, só não sei exatamente quem escreveu. Só sei que é de uma aluna da FAPE.


"Era a terceira vez que aquele substantivo e aquele artigo se encontravam no elevador. Um substantivo masculino, com um aspecto plural, com alguns anos bem vividos pelas preposições da vida. E o artigo era bem definido, feminino, singular: era ainda novinha, mas com um maravilhoso predicado nominal. Era ingênua, silábica, um pouco átona, até ao contrário dele: um sujeito oculto, com todos os vícios de linguagem, fanáticos por leituras e filmes ortográficos. O substantivo gostou dessa situação: os dois sozinhos, num lugar sem ninguém ver e ouvir. E sem perder essa oportunidade, começou a se insinuar, a perguntar, a conversar. O artigo feminino deixou as reticências de lado, e permitiu esse pequeno índice. De repente, o elevador pára, só com os dois lá dentro: ótimo, pensou o substantivo, mais um bom motivo para provocar alguns sinônimos. Pouco tempo depois, já estavam bem entre parênteses, quando o elevador recomeça a se movimentar: só que em vez de descer, sobe e pára justamente no andar do substantivo. Ele usou de toda a sua flexão verbal, e entrou com ela em seu aposto. Ligou o fonema, e ficaram alguns instantes em silêncio, ouvindo uma fonética clássica, bem suave e gostosa. Prepararam uma sintaxe dupla para ele e um hiato com gelo para ela. Ficaram conversando, sentados num vocativo, quando ele começou outra vez a se insinuar. Ela foi deixando, ele foi usando seu forte adjunto adverbial, e rapidamente chegaram a um imperativo, todos os vocábulos diziam que iriam terminar num transitivo direto. Começaram a se aproximar, ela tremendo de vocabulário, e ele sentindo seu ditongo crescente: se abraçaram, numa pontuação tão minúscula, que nem um período simples passaria entre os dois. Estavam nessa ênclise quando ela confessou que ainda era vírgula; ele não perdeu o ritmo e sugeriu uma ou outra soletrada em seu apóstrofo. É claro que ela se deixou levar por essas palavras, estava totalmente oxítona às vontades dele, e foram para o comum de dois gêneros. Ela totalmente voz passiva, ele voz ativa. Entre beijos, carícias, parônimos e substantivos, ele foi avançando cada vez mais: ficaram uns minutos nessa próclise,e ele, com todo o seu predicativo do objeto, ia tomando conta. Estavam na posição de primeira e segunda pessoa do singular, ela era um perfeito agente da passiva, ele todo paroxítono, sentindo o pronome do seu grande travessão forçando aquele hífen ainda singular. Nisso a porta abriu repentinamente. Era o verbo auxiliar do edifício. Ele tinha percebido tudo, e entrou dando conjunções e adjetivos nos dois, que se encolheram gramaticalmente, cheios de preposições, locuções e exclamativas. Mas ao ver aquele corpo jovem, numa acentuação tônica, ou melhor, subtônica, o verbo auxiliar diminuiu seus advérbios e declarou o seu particípio na história. Os dois se olharam, e viram que isso era melhor do que uma metáfora por todo o edificio. O verbo auxiliar se entusiasmou e mostrou o seu adjunto adnominal. Que loucura, minha gente. Aquilo não era nem comparativo: era um superlativo absoluto. Foi se aproximando dos dois, com aquela coisa maiúscula, com aquele predicativo do sujeito apontado para seus objetos. Foi chegando cada vez mais perto, comparando o ditongo do substantivo ao seu tritongo, propondo claramente uma mesóclise-a-trois. Só que as condições eram estas: enquanto abusava de um ditongo nasal, penetraria ao gerúndio do substantivo, e culminaria com um complemento verbal no artigo feminino. O substantivo, vendo que poderia se transformar num artigo indefinido depois dessa, pensando em seu infinitivo, resolveu colocar um ponto final na história: agarrou o verbo auxiliar pelo seu conectivo, jogou-o pela janela e voltou ao seu trema, cada vez mais fiel à língua portuguesa, com o artigo feminino colocado em conjunção coordenativa conclusiva."

terça-feira, 22 de junho de 2010

"CHIMAMANDA ADICHIE"-UMA BOA HISTÓRIA QUE VEM DA NIGÉRIA

Com a realização da copa na África do Sul, o continente africano está em evidência. E, quando se fala em África, a associação é imediata: guerras raciais, fome, miséria...mas definitivamente a África não é só isso. E se continuarmos a insistir nesse erro, de julgarmos o que de fato não conhecemos, ou conhecemos apenas a história mais óbvia, perderemos a grande oportunidade de conhecermos várias preciosidades como essa, por exemplo: a escritora nigeriana "Chimamanda Adichie". Nesse vídeo, ela fala justamente sobre como, às vezes, até por puro comodismo, nos deixamos levar por estereótipos criados pelos detentores do poder, que sempre dão um jeitinho de enfiar pela nossa goela abaixo, um monte de verdades pré fabricadas, aniquilando assim, toda e qualquer chance que temos de enxergar alguma coisa que não seja , o nosso próprio preconceito. Vejamos:



Depois de assistir a esse vídeo,espero que possamos sempre buscar por "novas histórias",assim como CHIMAMANDA buscou,e continua buscando,pelas "novas histórias" dela.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

"JOSÉ SARAMAGO" BOA VIAGEM!

A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse: "Não há mais o que ver", saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía,  ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.  
(José Saramago)

                                                                  foto:Sebastião Salgado

quarta-feira, 16 de junho de 2010

"...E A CORÉIA NÃO GANHOU O JOGO,MAS GANHOU O DIA!"

     Depois desse jogo de ontem, começo a entender porque o Dunga fez todos os treinos fechados. Na verdade, ele queria nos poupar. A gente já suspeitava que a "selecinha" não estava tão bem. Agora...a gente tem CERTEZA! O curioso é que, realmente acho muito bom o nível da maioria dos jogadores convocados, mas quando se juntam..."a coisa não funciona!"
Não sei se era a lesão, a pressão...mas o Kaká estava irreconhecível. Robinho se esforçou. Mas achei que estava muito afoito prá fazer logo seu gol, e desperdiçou muitos ataques com "tiros longos". Poderia ter elaborado mais as jogadas. Quando mudou de estratégia, foi melhor, e deu o passe para o lindo gol de Elano (o melhor em campo,na minha opinião). Luis Fabiano, parecia meio perdido.Tava muito "brucutu", cometendo muitas falhas. Apresentou pouco futebol. Maicon conseguiu fazer o gol no embalo da pequena reação que o Brasil teve quando voltou no segundo tempo, mas parou por aí. E prá finalizar,a defesa (sempre o grande problema do Brasil) cometeu uma falha primária com Lúcio(?)que, em vez de marcar o coreano, recuou e deixou " passe livre"  para  o gol.
Bom,vamos pensar que, "foi nervosismo de estréia", que"foi o frio",que "foi porque a lua de aquário não estava em áries..."enfim, vamos esperar pela melhora. Potencial prá isso o Brasil tem. Mesmo porque, com esse futebol de ontem, vai ficar difícil, hein?!
Nessa odisséia toda, quem não ganhou o jogo mas ganhou o dia, foi a Coréia que, depois de quarenta e quatro anos sem participar de uma copa, no primeiro jogo, já marcou um gol ,contra " a poderosa e conceituada seleção penta campeã mundial ". Fazer o quê...que venha a Costa do Marfim então,  prá ver se a história muda. Ou não...(como diria Caê!)       

sexta-feira, 11 de junho de 2010

AHÁ!!!!!!   "VUVUZELA AGORA TAMBÉM ONLINE!"   DÁ UMA APERTADINHA,VAI?!!

VAMOS TODOS JUNTOS!!!!     (tirado do blog "uma dama não comenta")http://www.spitorswallow.co.za/blowme.php

terça-feira, 8 de junho de 2010

"COISINHAS QUE OUVI POR AÍ..."

     Estávamos, novamente, no posto de saúde, para a segunda dose contra a "influenza H1N1" do Pedro. Uma  menininha "pimpona", de uns quatro aninhos incompletos, corria  prá lá e prá cá,  atrás do Davi. Ohh...nada mais singelo do que cenas com crianças felizes!!  PORÉM...(sempre tem um porém)  nada singelo,  foi ouvir o que a mãe da "pimponinha" disse: "Lá em casa, é só eu e ela o dia todo. O pai sai cedo prá trabalhar e a gente fica sozinha o dia inteiro. De vez em quando, o menininho da vizinha, que tem uns dois aninhos, vai lá brincar com ela, mas não gosto muito não, porque ele bate nela. Mas, já falei prá ela: se ele "der uma", você "dá duas". Se tú apanhar dele, apanha de mim também!"
     Dito isso, ela soltou um belo sorrisão e eu...eu  CHOQUEI!!!!!
"LEVAAAAANTA ME SERVE UM CAFÉ...QUE O MUUUUUNDO ACABOU!!!!!!"

terça-feira, 1 de junho de 2010

" A PRINCESA"




 Era uma vez, uma princesa muito bonita e  loirinha, que morava num reino distante. 
   
Seu sonho era trabalhar, andava cansada da vida modorrenta que levava na Corte.

Já tinha até ouvido falar que estavam querendo lhe "arrumar marido".
Mas como? Isso não faz o menor sentido!

E agora? Preciso pensar rápido! Não posso dar bobeira se eu não quiser virar uma gata borralheira!

De repente... um barulho enorme!

Eram as suas três fadinhas da sorte.

Mas por que tanta correria? Por que tamanha euforia?
Você não está sabendo? Ai, ai, ai, a princesa pouco anda lendo!

Há uma nova companhia de teatro passando pelo reino.
Dizem que há música, dança, canto, só festa o tempo inteiro!

Hum! É isso que eu quero! Vou ser atriz, ninguém vai  mandar no meu nariz!

As fadinhas ajudaram e de noite a fuga se fez.  Naquele reino, ninguém, nunca mais, vira a princesa outra vez.

Hoje toda noite ela rodopia seu vestido, canta , dança, nunca se cansa.

Apesar de dormir num caminhão,
comer ovo com pão...

...ela tem certeza de que é "FELIZ PARA SEMPRE"!

E o príncipe? Quem sabe ele não viraria um chato e viveria dando no seu saco?
"Quem sabe a vida é não  sonhar?