domingo, 26 de setembro de 2010

"SOU MULHER E SEI DAR TRANCO!"

     Sexta-feira quando fui pegar o meu marido na volta do trabalho, tivemos a original idéia de comermos uma pizza. Os hábitos, né?! Ahhh, os hábitos...o que seria a vida sem eles!!
Como as crianças estavam em casa, achamos melhor pararmos na pizzaria e fazermos o pedido "para viagem". Assim, enquanto a pizza ia ficando pronta, teríamos a oportunidade de fazermos um "mini happy hour".
      Dando sequência ao nosso cronograma, pegamos a pizza, entramos no carro e para nossa surpresa, sabe o que aconteceu quando girei a chave? Nada! Isso mesmo. Absolutamente nada!
     Tento mais uma vez, mais duas, mais três..."mas como assim? Isso nunca aconteceu antes?"(com esse carro,né!)
     Meu marido, que consegue entender de carro menos do que eu, deu a "prática" idéia de deixarmos o carro lá e depois veríamos o que faríamos. Como a noite estava nublada, não entendi essa rápida decisão como um lampejo de romantismo, onde poderíamos ir a pé para casa admirando a Lua.
     Olhei para o painel do carro e conclui "brilhantemente" que era a bateria.
     " Ãh...e aí?"  disse o Daniel  
      "E aí, vamos empurrar que pega!" respondi.
     Chamamos dois rapazes da pizzaria para nos ajudar. Quando um deles viu  que era eu quem estava no volante, perguntou para o Daniel se eu "sabia dar tranco". Além dele achar que eu não sabia, também deve ter pensado que eu era "surda e muda". Não vejo outra razão para que não tenha perguntado PARA MIM.
     Quando eles começaram a empurrar, entrou um motoqueiro na minha frente. Fiquei com medo de atropelá-lo e acabei não soltando a embreagem do modo que deveria. Para minha surpresa, esse motoqueiro era um senhor que também trabalhava na pizzaria e, contornando o carro, abaixou-se em direção a mim e disse para os outros rapazes: "AHHH, ASSIM NÃO VAI PEGAR, NÃO!!"
     Quando vi aquilo pensei: "Agora é questão de honra!" e falei para o Daniel: "Vamos de novo! Para trás! Para trás!"
     Nossa! Era visível a descrença daquela homarada. Senti o peso da responsabilidade nas minhas costas. Muita coisa ali estava em jogo e eu não podia falhar. Me concentrei e lá fui eu mais uma vez tentar fazer com que eles enxergassem além do fato de eu ser uma mulher. Queria mostrar que o "livro" onde eles leram que, "fazer um carro pegar no tranco" é coisa de homem,era desconhecido para mim.
      De novo eles empurraram e, sem ninguém entrando na frente, ou melhor, atrás, o carro pegou rapidinho.Um dos rapazes que empurrava o carro, ficou em êxtase e começou a zoar o outro senhor que tinha entrado na minha frente com a moto: "Aí, quem disse que não pegava? Há,há,há" (Tadinho! Senti que ele estava mesmo torcendo por mim desde o começo).
      Fiz o contorno e parei em frente da pizzaria. Agradeci aos rapazes e disse para o "tiozinho": "Só podia ser mulher,né tio?! Só podia ser mulher..." Todos os outros rapazes riram e eu, dei uma buzinadinha e acelerei feliz de alma lavada!
      O quê que há? "Sou mulher e sei dar tranco! Ôh, se sei..."

7 comentários:

  1. ai, clara, como eu torci pra que esse post terminasse assim! tava quase entrando dentro da tela de tanta ansiedade hahahaha ainda bem que voce conseguiu. do contrario, mesmo se o problema do carro fosse grave, voce seria a culpada de nao ter feito o carro voltar a vida por ser mulher. ggrrr...

    ResponderExcluir
  2. eu também estava na maior torcida pro carro pegar...aliás, confesso, é uma das poucas coisas que sei fazer quando o carro tem problema. Fazer pegar no tranco é minha especialidade, diferente de trocar pneus (ui, arrepio de pavor).

    ResponderExcluir
  3. Pois é Luci,o pior é a carinha de;"ai coitada,é mulher...burrinha!" "Ai,tô garrando um ódio!"

    Borboleta,se eu estiver numa situação em que não possa escolher,vamos à luta! Caso contrário,se tiver alguma borracharia por perto ou algum posto de gasolina,não penso duas vezes em pedir ajuda. Afinal,é muuuito chato ter que trocar pneu,né?!Ninguém merece...

    ResponderExcluir
  4. Tiozinhos do tipo precisam mesmo se deparar com situações como essa. Adorei o post! Dá para praticar o feminismo em diversas situações.

    ResponderExcluir
  5. Oi Anastásia!Vc viu? A gente não tem descanso.A "vigília" é permanente!rsrs
    Gostei muito que seu post tenha ido para a finalíssima. Tenho usado direto o seu "lema":"A LUTA É AGORA E É URGENTE!" (Com o devido crédito,né?!)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Clara,

    acho esse homens todos uns medrosos. Medinho da gente fazer uma baliza perfeita, por exemplo. Credo!

    *obrigada pela correção la no meu blog. Escrever corretamente tem sido um desafio para mim - sempre escrevo correndo atrás de um terrible two além de uma reforma ortográfica do cão e minha incompetencia normal. (e o teclado que só fala inglês).

    Bjkas

    ResponderExcluir
  7. Ai Clara! Vibrei contigo agora! kkk \o/ Sério! Você não só lavou a sua alma, como a de todas nós! \o/\o/ Quando eu aprender a dirigir um dia e um problema desses me atingir, vou lembrar de você. hihi

    E ah: Já era pra eu ter colocado o Gaveta Virtual na minha lista de "Influencia", porque só seguir não basta pra mim que nunca lembro de olhar se não tiver ao ladinho. Mas enfim, obrigada por ter escolhido o meu filhote pra tbm fazer parte da sua lista, tá?! Um beijo enorme e até próxima!o/

    ResponderExcluir