domingo, 26 de fevereiro de 2012

RESILIÊNCIA


A palavra não vem. Ela busca, rebusca, mas não vem...

Talvez porque o momento peça silêncio, encapsulamento, digestão.

Cansou de ser o São Jorge, pirou e
comeu o dragão, mas não consegue soltar o fogo pelo nariz...

Está revirando as tripas, os poros, o púbis...

Frio que cala a fala em pleno sol de verão.

Joga a garrafa ao mar.

O socorro já chega  enfiando a mão na garganta. 
Ela vomita e respira aliviada.

Agora ela já pode falar. Entendeu que, mais do que comer o dragão, 
 precisa é aprender a comer um dia de cada vez...

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

BOLO DE CHOCOLATE

 A preparação é mínima. Só os segundos da subida. E como sobe! Alto, alto, alto...

De repente, peito para frente, prestes a ganhar asas, a liberdade em queda livre.

Ele se joga com tudo: cabeça, alma e coração. Não se importa se a corda pode arrebentar.

Corda? Que corda? Não está preso a nada e ri na cara de quem tem medo...

Lá embaixo, ela olha e admira a coragem dele, mas prefere a comodidade dos covardes.

Vai para casa fazer um bolo de chocolate.

Não sabe cozinhar... queima o bolo e não aquece o coração.


                                                                                                                  

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

"HOMEM, PEGA, ESTUPRA E MATA!"

     Apesar das tentativas de  abafar o caso, um dos suspeitos é filho de um deputado estadual, chega a mídia mais um caso estarrecedor de violência contra a mulher. Agora, é o "caso de Queimadas", na Paraíba. Fico me perguntando até que ponto pode chegar a bestialidade humana: "Estupro coletivo encomendado para presente".  Um verdadeiro sopapo na cara da sociedade. Fratura exposta. Dói, sangra.
   A frieza com que esses dez monstros tramaram tudo é de enojar. Aliás, tudo nesse caso causa repulsa. Na delegacia, um deles disse o seguinte sobre o seu comparsa que teria "convidado" as mulheres: "Ele disse que queria pegar as meninas mas não ia matar elas". Ou seja, ESTUPRAR pode?! Não, não pode! Estupro é CRIME tanto quanto ASSASSINATO, e eles extrapolando até mesmo seus parâmetros mais enviesados, ESTUPRARAM E MATARAM.
    Conversando com um amigo sobre o caso, ele acredita que além da punição, a sociedade deveria fazer esses CRIMINOSOS ressignificarem seus crimes. Não sei se continuo acreditando nessa possibilidade. Estou me tornando meio cética quanto a evolução da humanidade. Preciso de tempo para absorver mais essa barbárie e reavaliar conceitos. Enquanto isso, o que posso fazer é não me calar, é não aceitar que mais uma vez imputem a culpa às mulheres. Vou acompanhando o caso e esperando que a Justiça aja com o rigor devido e tantas vezes negligenciado. É o mínimo. Que as mortes de Michele Domingues da Silva (29 anos) e Isabela Pajussara Frazão Monteiro (27 anos), não se tornem apenas mais um número frio nas estatísticas. Se "a sociedade está doente", que procuremos TODOS pela cura. "Não me perguntem por quem os sinos dobram, eles dobram por ti!"  




segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

"SANDÁLIA DE PRATA"

O samba é uma grande paixão. Mexe e remexe com ela. Fica molinha, com vontade  de requebrar com a mãozinha na cintura. Ela samba, mas só no miudinho, no cantinho, sem entrar na roda porque não tem sandália de prata. O samba insiste, seduz, mostra as cores e os calores de que ela gosta. Mas ela não se atreve sem a sandália. Sabe que na quarta-feira de cinzas, quando a folia acaba, precisa da sandália para se despedir, jogá-la bem longe e entender que não vai sambar o ano inteiro, sem a roda, sem o samba.
Mas ainda assim ela samba, rainha do seu Carnaval, sem reis, sem príncipes, não precisa. Precisava mesmo era da sandália de prata se fazendo ouro, ofuscando o resto da fantasia, brilhando no seu apogeu.