sexta-feira, 28 de agosto de 2009

RAPIDINHAS DO PEDRINHO


REFLEXÕES!!!
Num certo sábado de manhã...
"Mãe, sabia que todas as minhas imaginações ficam aqui dentro da minha cabeça? Todas as minhas gracinhas! É como se fosse um diário. Já que eu ainda não sei ler...tem que ser assim!!!



Numa certa sexta à noite...
Estávamos vendo TV quando o Pedro me perguntou:
"Mãe, quando eu crescer, eu vou ser da família do "Jonas Brothers"?
"Não filho, você tem a sua própria família..."
"Não mãe, assim quando vocês morrerem..."
"Bom, aí você terá uma nova família! Vai casar, ter filhos..."
"...UFA! PENSEI QUE EU IA FICAR SOZINHO!!"

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

...

O silêncio da morte é ensurdecedor. É um grito lá dentro da alma onde ninguém escuta.Um grito fino, agudo que te corroi as entranhas e faz sangrar aonde não há sangue... é a mais completa ausência. É a falta de definição...é um hiato eterno!! Foi-se embora Arnaldo...o Vovô Naná!!

sábado, 8 de agosto de 2009

RAPIDINHAS DO PEDRINHO!

Estava eu certa feita dando banho no Pedrinho para encaminhá-lo à escola, quando aconteceu esse "pueril" diálogo: (vale lembrar que, só pra variar, estávamos atrasados e eu o pressionava para que ele acelerasse o processo).
"-Anda logo, a gente sempre chega atrasado!"
"-Ai mãe! Pera aí...tá me machucando!"
"-Caramba Pedro! Você é um homem ou um pé de alface??"
Pra minha surpresa ele respondeu sem pestanejar:
"-Sou um pé de alface!!"
E eu entre a surpresa e a apreensão disse:
"-Claro que não, rapaz! Quando o pai NÃO está, você é o homem da casa, já cheio de responsabilidades...
"-Ahhhh, tá! E quando ele ESTÁ...aí eu sou um pé de alface?????"

terça-feira, 4 de agosto de 2009

DIA DOS PAIS



Está chegando o dia dos pais e se tem uma música, seja ela "brega"ou não, que emociona bastante nessa época do ano é "PAI" de Fábio Júnior. Muitas pessoas, inclusive que já perderam seus pais, se deixam levar pelas lembranças e se emocionam muito. E por falar em lembranças..."lá em casa" teve um dia dos pais que ficou imortalizado justamente por causa dessa música.
Meu irmão já era casado e eu não era casada ainda mas já não morava mais com meus pais. Então, nos reunimos no domingo para aquele tradicional e famoso "almoço do dia dos pais". O curioso é que esses nossos encontros eram sempre um misto de alegria com uma pitada de nostalgia...não sei! Qualquer dia pergunto ao meu irmão se ele tinha essa mesma sensação.

Acabado o almoço, fomos todos para a sala assistir televisão como "pano de fundo" (é; fica todo mundo conversando e a televisão fica lá ligada, só fazendo "pano de fundo"). Vai entender...de repente, quem aparece cantando no Faustão? Ele mesmo! Fábio Júnior... "pai, eu já não sou mais aquela criança..." Como meu pai não era muito expansivo, não sabíamos se ele estava emocionado ou não. Mas meu irmão imbuído do sentimento provocado pela data, acreditando que "aquela linda canção", naquele dia tão especial, pudesse despertar os sentimentos mais resguardados do meu pai disse: "bonita essa música né, pai?!" Foi quando meu pai saiu do seu estado de letargia e fitando-o profundamente, do alto de sua sabedoria e sensibilidade, disse com seu sotaque espanhol: "Esse cara nom canta naaada rapaz!!"

Bom, assim era o meu pai. Às vezes não tinha noção do que nos magoava...não tinha muito melindre apesar de ser um homem de bem e cheio de qualidades também! Enfim era o seu jeito...e fosse ele como fosse, só sei de uma coisa: no próximo domingo; adoraria encontrar com ele por aí "prá pedir prá ele ir lá em casa, brincar de vovô com meus filhos, no tapete da sala de estar...pai, paaaaai!!!"



Obs: Esse dia apesar de sempre ser lembrado por nós, não nos deixou "grandes traumas"; ao contrário, sempre que lembramos desse episódio damos boas gargalhadas!!

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

REVISTA DE DOMINGO

Quando eu era menor, (pequena nunca fui) meu pai sempre comprava o JORNAL DO BRASIL e no domingo ele vinha com uma revista, a REVISTA DE DOMINGO, que eu adorava ler. Na última página da revista tinha uma entrevista tipo"ping-pong" que eu sempre me imaginava respondendo. Acho que hoje seria mais ou menos assim:
O que vc mais admira nas pessoas? Inteligência sem prepotência.
O que vc mais admira em vc? Gostar de ouvir pessoas inteligentes e que nem por isso são prepotentes.
Um defeito: Auto-crítica, eu mesma me sufoco!
Uma qualidade: Sublimação!
Um medo: Qualquer coisa que ameace meus filhos!
Uma frustração: Saber que a gente só armazena 20% do que lê!
Um prazer: Escrever! É quando me sinto mais completa!
Um lugar: Aqui e agora. E Friburgo mas prá deixar guardado lá onde ele tem que ficar: no passado!
Morte: Uma incógnita!
Deus: "Não é nada, nada, nada...daquilo que eu possa imaginar."
Vida : Respiração, pulsação...meus filhos!
Felicidade: É circunstâncial. Entender isso já é um bom começo prá tentar ser feliz!
Amor: "É um não contentar-se de contente..."
Um exemplo de coragem: Meu irmão, preciso aprender mais com ele...
Uma saudade: Meu pai!
Um prato preferido: Qualquer um que eu não tenha que fazer!
Campo ou praia? "Tudo vale a pena se a companhia não é pequena!"
Um livro: "Paula" de Isabel Allende"
Um filme:"A Liberdade é Azul" sempre...
O quê levaria para uma ilha deserta? Tanta coisa...sei lá! Um litro de wisky para tomar com água de coco em eventuais comemorações.
Quem vc levaria? Alguém que me suportasse após duas semanas!
Uma frase: "Posso ter nascido sem saber mas não posso morrer ignorando!"
Vc por você mesma: "Decifra-me ou te ignoro!!!!"