sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

RAPIDINHAS DO PEDRINHO


ENTRANDO NO CLIMA...

Pedro estava vendo desenho na sala quando o pai chegou:

"Pedro chega de ver desenho, agora vou ver o jornal!

Ah não pai...não muda de canal!!! Olha o ESPÍRITO DE NATAL, hein?!"

domingo, 22 de novembro de 2009

VERDADE NUA E CRUA!!!




Acabo de ler uma reportagem tristíssima sobre uma menina que vive há doze anos em estado vegetativo devido a um banho de piscina. Ela teve o seu cabelo "sugado" pelo ralo da piscina. Na época tinha dez anos...entrou em coma e nunca mais falou, nem andou, nem...nada!!! Sua mãe resolveu escrever um blog onde conta o que ela chama de "perda diária"; acho que foi um jeito que ela achou de "gritar pela janela" toda a sua dor para não enlouquecer. É realmente uma história comovente. Li "com um nó na garganta"...quando acabei de ler, tive vontade de escrever alguma coisa à essa mãe mas...o silêncio falou por mim!
Vou falar o quê? Que se fosse eu já teria enlouquecido? Que não sei como ela suporta todo esse drama ?Que não acho justo as especulações que fizeram e que continuam fazendo sobre a sua culpabilidade? Sim, porque as mães sempre têm culpa, até quando provam ao contrário! Poderia ser solidária, dizer que ela continue tendo força e coragem, que tenha esperança(?), que tenha resignação? Sei lá...!
Resolvi dar à ela o meu silêncio, em respeito ao silêncio que ela vive sem a voz da sua tão amada filha , que tinha voz de sino...
PARA QUEM SE INTERESSAR, O BLOG CRIADO PELA MÃE DE FLÁVIA É;(fláviavivendoemcoma.blogspot.com)

sábado, 14 de novembro de 2009

RAPIDINHAS DO PEDRINHO

"BANDIDO ROUBA O QUÊ?"

Daniel levava o Pedro pra escola e então...
"Pai, bandido rouba só dinheiro?
Não Pedro. Rouba outras coisas também...
Mas...rouba o quê???
Rouba carro, rouba bicicleta, rouba um monte de coisas!
Mas se ele rouba dinheiro, por que ele precisa roubar outras coisas? Por que ele não COMPRA
com o dinheiro que ele roubou???"

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

EU TENHO UMA CASINHA LÁ NA MARAMBAIA...

Esses dias de calor intenso, apesar de ainda ser primavera, têm me levado à lembranças muito agradáveis de uma época da minha vida: era quando chegavam as férias escolares do final de ano e, eu e meu irmão, acompanhados de minha mãe, sempre íamos passar uns dias na casa da minha querida e saudosa "Vó Philó". A casa em si era modesta, mas o quintal tinha uma infinidade de "pés disso" e "pés daquilo"...            

Na frente da casa tinha um pé de manga espada fazendo uma enorme e gostosa sombra. Ao lado do pé de manga ficava o pé de romã (criança com dor de garganta ali, nem pensar...era batata! Aliás, batata não... era ROMÃ!!!) Tinha amoras pretas e vermelhas por toda a cerca do terreno. Eram as minhas preferidas...tinha ainda, pés de goiaba, de laranja, abacaxis e lá no fundão, onde terminava o quintal, o setor das bananeiras e das canas. Essa parte, nós crianças não íamos, mas meu avô trazia as canas descascadas mais para próximo da casa, e nós nos deliciávamos. Para completar esse rico cenário, no meio dessas frutas todas tinha uma quantidade enorme de folhagens, flôres e vasinhos de plantas medicinais e tempêros, que a minha vó, não só sabia o nome, mas também prá que serviam e onde estavam!


E as brincadeiras?? Como a gente aprontava! Subir em árvore era lei! Banho de chuva, guerrinha de lama, banho de mangueira, trilhas (tinha um lugar no quintal que o terreno era bem desnivelado, nada perigoso mas dava "prestígio" quem conseguisse passar por ali, fazer o percurso todo). Me lembro também que a gente brincava muito com o cachorro da minha Vó. Ela nunca ficava sem ter um.O mais legal foi o "Joli". Que cachorro educado! Parecia um gentleman. Era um "collie-lata". Quando morreu teve direito a cortejo fúnebre e enterro no setor das bananeiras. Foi uma choradeira só! Eu e e meu irmão não participamos porque ainda estávamos estudando mas quando chegamos, a primarada toda correu prá nos contar e nos mostrar o local, marcado com uma cruz no muro, onde estava enterrado o Joli. Aprendi ali a primeira noção de que "nada é para sempre!"


Quando a noite caía, a televisão era desligada cedo. Meu tio não gostava que ficássemos assistindo a programas impróprios para a nossa idade .É, ainda tinha isso...meu primo Cesar era o que mais reclamava, mas era legal porque a gente tinha que inventar um monte de coisas prá brincar: ou era um jogo, ou contávamos piadas, ou guerrinha de travesseiros, sempre interrompidas, pois meu primo Marcelo tinha uma rinite fortíssima e quase "arrancava o nariz". E prá fechar com chave de ouro, dormíamos todos juntos na sala brincando de "Os Watsons" (alguém lembra?). Era um festival de boa noite e risinhos, vários pedidos de bençãos para a vó e o vô...até que a minha mãe falava prá ficarmos quietinhos para dormir! E ela então, começava a desfiar, com a sua voz afinada e doce, o seu repertório musical vindo lá da época de ouvinte da Rádio Nacional. Dessas músicas, duas se eternizaram nas minhas lembranças: "Eu tenho uma casinha lá na Marambaia..." (até bem pouco tempo atrás sabia a letra toda. Agora a memória já me trai.) E a outra música é, "É fim de noite" da qual nunca soube além da metade porque sempre dormia antes!


Realmente me sinto privilegiada por ter vivido momentos tão lúdicos na minha infância. Essa oportunidade fez toda a diferença no equilíbrio e na construção do mosaico de emoções que vamos formando ao longo dos anos. E assim como a minha mãe foi reponsável e grande incentivadora desses momentos, espero também poder proporcionar isso aos meus filhos. Que eles entendam que esse, sem dúvida nenhuma, será o seu grande e verdadeiro patrimônio! E que prá eles também fará toda a diferença! Eu, e mais alguns privilegiados, somos a prova viva disso!! Hummm...tá me dando uma vontade de cantarolar..."eu tenho uma casinha lá na marambaia, só vendo que beleza..."

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

MENTIRAS CLANDESTINAS


Analisando o vasto mundo dos sites de relacionamento, uma questão me chamou muito a atenção: quando perguntadas sobre a coisa que menos SUPORTAM, a maioria das pessoas responde quase que em coro: "MENTIRA E FALSIDADE". Fiquei pensando... de qual "mentira" estamos falando: daquela mentira que nos dizem  ou daquela mentira que dizemos ou até mesmo vivemos?? Sim, porque a primeira coisa que me vem à cabeça é que as pessoas respondem assim, pensando em todas as vezes que foram enganadas ou tratadas com falsidade por alguém. Realmente é uma situação detestável!!Ninguém SUPORTA ser subestimado...mas se a gente não SUPORTA a mentira e a falsidade, por que a gente vive mentindo e sendo falso???? Agora vc deve estar pensando: "Imagina! Eu não sou assim..." mas é aí que acontece o que eu chamo de nossas "mentiras clandestinas". A vida que a gente leva é campo fértil para que elas aconteçam. Ainda que a gente não queira, ainda que a gente se lembre de toda nossa boa formação moral e coisa e tal, elas insistem e...A GENTE ACABA M-E-N-T-I-N-D-O !!!!!  A pressão é diária e uma hora a gente sucumbe. Uns mais rápidos, outros nem tanto, mas no final...todo mundo se entrega e acaba SUPORTANDO uma "mentirinha"! Como assim?? Veja bem; tem gente que já começa o dia indo trabalhar num lugar que não gosta, mas precisa se manter e tem que ir. Já é uma grande mentira. Mas "ESSA" mentira, ele SUPORTA! Depois, tem que aguentar um chefe que odeia. Mas "ESSA" é outra mentira que ele SUPORTA. Convive com pessoas que se pudesse, adoraria fazê-las sumir, mas "ESSA" falsidade ele SUPORTA.
Existe também a mulher que há dez anos diz não suportar mais o marido, mas está com ele até hoje e provavelmente ficará por muito tempo ainda. Aliás, essa é uma das "MENTIRAS CLANDESTINAS" clássicas! E é claro, "ESSA" mentira, ela "SUPORTA". Suas "amigas" sabem que ela é infeliz mas faz de conta "que não tá nem aí". Mas "ESSA" é uma falsidade que ela "SUPORTA".
Já parou prá pensar quantas pessoas fingem ser o que não são só para serem aceitas num determinado grupo? Isso é mais comum do que a gente pensa, aliás quando a pessoa não quer se "enquadrar" em nenhum grupo, já é vista como "estranha", ainda que ninguém fale prá ela... o que é mais uma mentira "suportável"! Quantas vezes falamos o que não estamos sentindo somente para obtermos "conquistas vazias" que não nos acrescentam em nada? Cazuza já dizia : "O seu amor é uma mentira que a minha vaidade quer..."
Quantas vezes queremos estar sozinhos quando acompanhados ou quantas vezes preferiríamos estar ainda que "mal acompanhados" do que sozinhos?
Quantas vezes engolimos a seco toda a vontade de gritar, se descompor, se humilhar???
Quantas vezes seguramos nossos impulsos mais desvairados, mais infantis mais sutis...
Quantas vezes ficamos aflitos por sermos inseguros ou por não sermos o centro de todas as atenções e ainda assim seguimos firmes, temendo que ninguém aguente as nossas fraquezas ou franqueza??
Todas essas "mentiras clandestinas" a gente não só SUPORTA como ACEITA. Portanto, que façamos uma reflexão sobre o que estamos vivendo na hora de respondermos o que "realmente" a gente não suporta e paremos de condenar "a vizinha "que mente dizendo que foi ao show do Roberto Carlos no navio, mas não tem nenhuma foto porque a pilha da máquina acabou. Não tem nem mesmo uma pétala da tão sonhada rosa do REI. Porque... se tem uma coisa que eu não SUPORTO mesmo é... RADICALISMO!!

RAPIDINHAS DO PEDRINHO


CONHECENDO OS ANIMAIS...
"Mãe, que bicho é esse???
É uma LESMA, ASQUEROSA...
Mata mãe! Mata mãe...
Não! Só vou tirar essa LESMA daí e pronto!
Mas...e a  'ASQUEROSA'????"

terça-feira, 22 de setembro de 2009

RAPIDINHAS DO PEDRINHO

FAZENDO A LIÇÃO!

Com toda a diposição que as segundas lhe conferem, Pedrinho foi fazer a liçao:
"-Pedro que letra é essa?
-L de laranja!
Passados dois segundos, pergunto:
-Pedro, laranja começa com que letra?
-Com A!!!
Já aumento a voz:
-Com A, Pedro? Laranja começa com A?
Ele 'acorda' e percebe que respondeu errado e emenda:
-É; começa com A...A LARANJA!!!!!"

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

"SOPRO MÁGICO"


Sábado é meu aniversário e apesar da natureza ser generosa comigo, (sempre me dão uns anos a menos) acredito que "esse negócio de idade" seja mesmo um estado de espírito. Têm dias que acordo com a "idade da loba" mas vou dormir com a idade da "chapeuzinho". Tem dias , ainda, que acordo com a idade da "chapeuzinho" e vou dormir com a idade da "vovózinha"! Fica difícil analisar se estou ficando velha ou não. Mesmo porque, só envelhece aquele que rejeita que "o novo sempre vem". Só é velho quem perde a vontade de aprender com a tenacidade, com a impulsividade que a juventude tem. Só é velho quem perde a capacidade de ouvir, de aprender, de se interessar por alguma coisa que não seja a sua "verdade absoluta". Só é velho quem tem medo de se surpreender, de se arriscar, de começar de novo...devo confessar que tenho meus dias de "velhice"mas faço o posssível para que eles não se tornem  constantes. Procuro sempre alguma coisa que me traga "o sopro mágico da renovação". Um sopro que vem em qualquer idade, quando vc faz alguma coisa que te realiza, que te arrebata, que te comove, que te emociona...e que por consequência te renova, te sacia, te deixa pleno...em verdadeiro êxtase! Nesses instantes, falar em idade cronológica...fica pequeno demais!!!!
Portanto, felizes daqueles que, com o passar dos anos, se especializam cada vez mais, com muita sensibilidade, em "decifrar" e "usar" o "sopro mágico". É meus amigos...se interem do "sopro", se interem do "sopro..." Aí consiste a "mágica"!!!

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

ANIVERSÁRIO DO PEDRO

Hoje particularmente estou muito feliz. Há seis anos nascia "um de meus olhos"; o Pedro!!! Quando ele tinha quatro dias registrei sua chegada nessa crônica:

Aos dois dias do mês de Setembro de 2003 chegou o nosso Pedro. Já chegou dando susto no papai e na mamãe. No meio da madrugada se anunciou através de uma bolsa rompida. Como só se anunciou e não pediu passagem, só foi nascer mesmo às 10:33 hs de parto cesárea.

Na sala de cirurgia todo mundo tranquilo: minha médica, seu marido (também médico), um anestesista e duas enfermeiras. Equipe pronta para a recepção. Recepção essa que foi de uma rapidez impressionante. Não demorou meia hora e já escutei o chorinho do meu "HAVAIANO" (foi assim que o médico o chamou, pois tinha três colares do cordão umbilical enrolados no pescoço). Graças ao bom e velho Deus, esse fato não o prejudicou em nada. Nasceu pequeno (48cm e 2.740 Kg) mas absolutamente normal...e lindo!!!

Bom, preciso dizer que me apaixonei de imediato.Olhava pra ele no bercinho já no quarto, e tinha uma sensação gostosa de "coisa boa", de "energia positiva", de que esse "carinha" ia ser meu "camarada"!! Nascia ali uma forte relação entre nós dois...

Fomos embora prá casa e papai foi registrá-lo: "Pedro Valledepaz Daniel descendente de la nobreza espanhola", como meu pai gostava de dizer. E  "descendente de la pobreza espanhola" como dizia eu só pra irritá-lo!

Agora estamos naquela primeira semana de adaptação. Tudo é novo pra mim e pra ele. No começo ele não queria mamar e eu com os peitos cheios de leite ansiosa por não conseguir amamentá-lo. Acho que ele não sabia direito ainda como funcionava a mecânica da coisa mas agora aprendeu e mama feito um cabritinho...

Pedrinho já teve muitas visitas por aqui; tios, tias, primos, todos querem ver o caçulinha. A vovó Aparecida e o tio David chegam no domingo e vai ser uma confusão gostosa. Bom mas esse é outro capítulo. O que importa é que estamos todos muito felizes e eu me sentindo muito premiada por ter recebido "meu pequeno grande homem"!  "SEJA BEM-VINDO, MEU FILHO! SEJA MUITO BEM-VINDO!!"


Esse, sem dúvida, foi um dos momentos mais sublimes da minha vida. Não quero aqui julgar a mulher que opta por não ter filhos, nem mesmo classificá-la de infeliz ou problemática. Cada um faz suas escolhas, mas pra mim...não conseguiria mais imaginar a minha vida sem o Pedro e o Davi! E quando digo "meus dois olhos", é assim que os vejo: depois que nasceram passei a enxergar a vida de uma maneira diferente...ganhei "dois olhos" novos...

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

RAPIDINHAS DO PEDRINHO


REFLEXÕES!!!
Num certo sábado de manhã...
"Mãe, sabia que todas as minhas imaginações ficam aqui dentro da minha cabeça? Todas as minhas gracinhas! É como se fosse um diário. Já que eu ainda não sei ler...tem que ser assim!!!



Numa certa sexta à noite...
Estávamos vendo TV quando o Pedro me perguntou:
"Mãe, quando eu crescer, eu vou ser da família do "Jonas Brothers"?
"Não filho, você tem a sua própria família..."
"Não mãe, assim quando vocês morrerem..."
"Bom, aí você terá uma nova família! Vai casar, ter filhos..."
"...UFA! PENSEI QUE EU IA FICAR SOZINHO!!"

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

...

O silêncio da morte é ensurdecedor. É um grito lá dentro da alma onde ninguém escuta.Um grito fino, agudo que te corroi as entranhas e faz sangrar aonde não há sangue... é a mais completa ausência. É a falta de definição...é um hiato eterno!! Foi-se embora Arnaldo...o Vovô Naná!!

sábado, 8 de agosto de 2009

RAPIDINHAS DO PEDRINHO!

Estava eu certa feita dando banho no Pedrinho para encaminhá-lo à escola, quando aconteceu esse "pueril" diálogo: (vale lembrar que, só pra variar, estávamos atrasados e eu o pressionava para que ele acelerasse o processo).
"-Anda logo, a gente sempre chega atrasado!"
"-Ai mãe! Pera aí...tá me machucando!"
"-Caramba Pedro! Você é um homem ou um pé de alface??"
Pra minha surpresa ele respondeu sem pestanejar:
"-Sou um pé de alface!!"
E eu entre a surpresa e a apreensão disse:
"-Claro que não, rapaz! Quando o pai NÃO está, você é o homem da casa, já cheio de responsabilidades...
"-Ahhhh, tá! E quando ele ESTÁ...aí eu sou um pé de alface?????"

terça-feira, 4 de agosto de 2009

DIA DOS PAIS



Está chegando o dia dos pais e se tem uma música, seja ela "brega"ou não, que emociona bastante nessa época do ano é "PAI" de Fábio Júnior. Muitas pessoas, inclusive que já perderam seus pais, se deixam levar pelas lembranças e se emocionam muito. E por falar em lembranças..."lá em casa" teve um dia dos pais que ficou imortalizado justamente por causa dessa música.
Meu irmão já era casado e eu não era casada ainda mas já não morava mais com meus pais. Então, nos reunimos no domingo para aquele tradicional e famoso "almoço do dia dos pais". O curioso é que esses nossos encontros eram sempre um misto de alegria com uma pitada de nostalgia...não sei! Qualquer dia pergunto ao meu irmão se ele tinha essa mesma sensação.

Acabado o almoço, fomos todos para a sala assistir televisão como "pano de fundo" (é; fica todo mundo conversando e a televisão fica lá ligada, só fazendo "pano de fundo"). Vai entender...de repente, quem aparece cantando no Faustão? Ele mesmo! Fábio Júnior... "pai, eu já não sou mais aquela criança..." Como meu pai não era muito expansivo, não sabíamos se ele estava emocionado ou não. Mas meu irmão imbuído do sentimento provocado pela data, acreditando que "aquela linda canção", naquele dia tão especial, pudesse despertar os sentimentos mais resguardados do meu pai disse: "bonita essa música né, pai?!" Foi quando meu pai saiu do seu estado de letargia e fitando-o profundamente, do alto de sua sabedoria e sensibilidade, disse com seu sotaque espanhol: "Esse cara nom canta naaada rapaz!!"

Bom, assim era o meu pai. Às vezes não tinha noção do que nos magoava...não tinha muito melindre apesar de ser um homem de bem e cheio de qualidades também! Enfim era o seu jeito...e fosse ele como fosse, só sei de uma coisa: no próximo domingo; adoraria encontrar com ele por aí "prá pedir prá ele ir lá em casa, brincar de vovô com meus filhos, no tapete da sala de estar...pai, paaaaai!!!"



Obs: Esse dia apesar de sempre ser lembrado por nós, não nos deixou "grandes traumas"; ao contrário, sempre que lembramos desse episódio damos boas gargalhadas!!

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

REVISTA DE DOMINGO

Quando eu era menor, (pequena nunca fui) meu pai sempre comprava o JORNAL DO BRASIL e no domingo ele vinha com uma revista, a REVISTA DE DOMINGO, que eu adorava ler. Na última página da revista tinha uma entrevista tipo"ping-pong" que eu sempre me imaginava respondendo. Acho que hoje seria mais ou menos assim:
O que vc mais admira nas pessoas? Inteligência sem prepotência.
O que vc mais admira em vc? Gostar de ouvir pessoas inteligentes e que nem por isso são prepotentes.
Um defeito: Auto-crítica, eu mesma me sufoco!
Uma qualidade: Sublimação!
Um medo: Qualquer coisa que ameace meus filhos!
Uma frustração: Saber que a gente só armazena 20% do que lê!
Um prazer: Escrever! É quando me sinto mais completa!
Um lugar: Aqui e agora. E Friburgo mas prá deixar guardado lá onde ele tem que ficar: no passado!
Morte: Uma incógnita!
Deus: "Não é nada, nada, nada...daquilo que eu possa imaginar."
Vida : Respiração, pulsação...meus filhos!
Felicidade: É circunstâncial. Entender isso já é um bom começo prá tentar ser feliz!
Amor: "É um não contentar-se de contente..."
Um exemplo de coragem: Meu irmão, preciso aprender mais com ele...
Uma saudade: Meu pai!
Um prato preferido: Qualquer um que eu não tenha que fazer!
Campo ou praia? "Tudo vale a pena se a companhia não é pequena!"
Um livro: "Paula" de Isabel Allende"
Um filme:"A Liberdade é Azul" sempre...
O quê levaria para uma ilha deserta? Tanta coisa...sei lá! Um litro de wisky para tomar com água de coco em eventuais comemorações.
Quem vc levaria? Alguém que me suportasse após duas semanas!
Uma frase: "Posso ter nascido sem saber mas não posso morrer ignorando!"
Vc por você mesma: "Decifra-me ou te ignoro!!!!"

sexta-feira, 24 de julho de 2009

RAPIDINHAS DO PEDRINHO

Em certa ocasião, falando sobre meu pai com o Pedro, expliquei pra ele que o "Vô Voelito", assim meus sobrinhos o chamavam, já tinha ido morar no céu. Quando Michael Jackson morreu ele fez rapidamente a seguinte associação: "Mãe? O Vô Voelito já morreu, né?" respondi: "Já filho, já foi morar com o Papai do Céu!" e ele mandou de volta: "É eu acho que o Michael Jackson deve tá cantando e dançando lá para o Vô Voelito"...

quarta-feira, 8 de julho de 2009

SOBRANCELHAS

Você me surpreendeu, não digo logo de cara mas aos poucos. Não porque era diferente mas justamente porque me mostrou que há várias maneiras de "ser igual". E o "seu igual" era entusiasmante! Gostava de te "ler"impulsivamente para saber o que viria depois, depois e depois...uma sensação entorpecedora, inebriante, da qual eu já era um dependente confesso.Vivi dias de êxtase...me tornei poeta, artista plástico, filósofo, astrônomo...a vida era intensa, em profusão!! Mas um dia, acordei e vi que suas sobrancelhas não eram iguais. Como não tinha notado isso antes? Elas definitivamente não eram iguais!Você, claro, me disse que facilmente poderia dar um jeito nisso mas eu firme disse não! Pedi finalmente que você fosse embora... Como em tudo que acontece na nossa vida, aprendi uma lição; agora já sei..."A PRÓXIMA COMEÇO PELAS SOBRANCELHAS!!"

terça-feira, 7 de julho de 2009

SINFONIA INACABADA

Você sabia jogar xadrez e eu nunca aprendi. Sabia ler música e eu nunca aprendi.Você sabia espanhol e eu mal aprendi... Aonde foi que se perdeu a nossa comunicação? Tantas coisas eu também poderia ter te ensinado mas você não aprendeu. Só perdemos tempo nos criticando, nos provocando, nos afastando..."Pessoas tão diferentes!" Será mesmo? Talvez tenhamos sido somente o reflexo daquilo que menos tolerávamos um no outro. Faltou-nos paciência e a humildade de quem quer aprender... Ninguém queria ceder primeiro, se "desarmar" primeiro. E isso foi uma tamanha tolice. Isso; infelizmente eu aprendi... (27/08/2002). Hoje está fazendo sete anos que meu pai faleceu! Quando ele começou a ficar doente nos reaproximamos... Foi bom, pois ainda tive tempo de fazer alguma coisa por ele. Coisas que nunca imaginei precisar fazer por um homem tão altivo, tão pleno de vida! Fazia sua barba, ajudava-o a tomar banho... Nesses últimos trinta dias de sua vida, apesar do sofrimento de analisar toda a sua história de vida e agora vê-lo ali definhando, pude tirar muitas e profundas lições que vou levar pra sempre comigo. Me fez mais forte, mais humana e quem sabe um pouco menos radical... Realmente um aprendizado!

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Mais uma da série: RAPIDINHAS DO PEDRINHO!!

              “Olha, lá Pedro! Seu irmão já está conseguindo descer da cama direitinho!

Olha como ele faz com a perninha...
Pedro responde empolgado:
-É mãe, parece até um cachorro!”

quinta-feira, 18 de junho de 2009

NÃO TÁ NEM AÍ...

Casei porque não sabia abrir pote de azeitona, trocar lâmpada e nem trocar gás. Depois de casada, descobri que meu marido não sabia fazer nenhuma das três coisas e ainda tava saindo com uma loira de dezoito aninhos. Pior, por ela, ele aprendeu a abrir pote de azeitona, trocar lâmpada e trocar o gás! E ela??? Ela não tá nem aí prá isso...

sábado, 23 de maio de 2009

Criança diz cada coisa...



Quando Renato Russo afirmava em sua música, "já não sou mais tão criança a ponto de saber tudo", ele tinha razão. Tenho dois filhos e aprendo o tempo todo com eles.  Pedro,o meu mais velho, (ele detesta esse título) tem cinco anos e tá na fase do "tudo quer saber". Dia desses, eu tentava explicar prá ele os malefícios dos corantes artificiais.Vejam vocês o nível da conversa. Bom, prá minha surpresa, ele entendeu rapidamente a minha explicação e já saiu relacionando várias coisas que tinham corantes artificiais:
"-Mãe, bala tem corante, não tem?" "E iogurte? Tem também, não tem?" "E refrigerante? Claro que tem né?..."
E por esse caminho ele foi e continuou até chegar na porta da geladeira; abriu a porta, olhou prá mim e cheio de sabedoria falou:
"-Mãe, ovo eu tenho certeza que não tem corante!" "É natural, vem de dentro da galinha, não tem como colocar corante lá dentro". E eu concordava com toda a sua explicaçao, quando ele parou pensativo e disse: "Só se a galinha tomar refrigerante, né mãe..."
Esses momentos são pequenas sacudidas na nossa rotina estressante do dia a dia. Às vezes, a gente tá na maior correria, no maior stress, e eles soltam uma dessas e pronto: todo mundo ri, relaxa...manda prá longe o mau humor. Portanto, quando esses momentos acontecerem, que a gente se permita  aproveitá-los, saboreando sem pressa o doce sabor daquele instante tão pequeno mas tão especial...