quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Verso Pelo Avesso

Viro o verso pelo avesso,
Não tenho medo do reverso.
O que não rima, 
Não desanima.
Você é meu exercício
de desprendimento.
Nada espero, nem idealizo.
Somos tão diferentes
que nos encontramos na outra ponta.
E o encontro instiga, atiça,
coça, roça,
assanha a sanha.
Sei que vou morrer não sei a hora
mas se vivo, viva o coração no pulso! 
Tomo gosto e ponho meu barco no mar.          
Hoje é dia do Círio de Nazaré.                             
Nazinha que me proteja
e vice-versa!
Faço o sinal da cruz,
Reverencio Yemanjá

e viro o verso pelo avesso...

(post publicado originalmente em Interrogações)

Nenhum comentário:

Postar um comentário