sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

É NATAL, MAS NÃO PRECISA SER ÓBVIO! Receita/ Prato Principal (por Luciana Nepomuceno)


Apesar de ter tido alguns probleminhas técnicos e estar atrasada com as publicações da série: "É Natal, mas não precisa ser óbvio", não poderia, de maneira alguma, esquecer de postar um dos primeiros textos que me veio à mente, assim que pensei em fazer um "Natal original". É uma receita que, independente do prato, deve ser usada sem parcimônia. Receita que só ela, Luciana, escreveria com tanta propriedade... 


Prato Principal
Em maio deste ano escrevi um texto para o Feministas na Cozinha chamado Ora, direis, comer estrelas... escrevi, curti, esqueci. Até que. Dessas coisas boas que me acontecem, tem a Clara. E ela postou este texto lá no Fb e eu fui reler. E fiquei pensando, sim, sim e, um tantinho não, não. Quem quiser saber como ele era, vai lá e espia, aliás, tem muita coisa boa escrita pelas outras blogueiras, dicas e receitas. Dei uma garibada nele, virou resto d’ontê. Porque o pensar, como o amar, muda. 

Amar é um tantinho como cozinhar. Muitas vezes parece difícil, complicado, demorado e é tão fácil. Pratos com aparência sofisticada que nos custaram um forno amigo, uma taça de vinho pra acompanhar a espera e uma mesa bem arrumada. Às vezes amar é só um cafuné, um telefonema inesperado, um gesto cuidadoso. Peixe? Sal, azeite e fogo. Não tem erro. Massa? Manjericão e tomate. Mas daí a gente pensa: manjo! E, claro, é um erro enorme. Fica até mais bonito em  inglês, como aqueles filmes de final infeliz: terrible mistake, até parece uma sobremesa, né? É que amar também sabe ser difícil. Amar e ser amado são da ordem de uma pergunta e de uma falta e o que temos a oferecer é justamente o que não possuímos. Mas insistimos. Difícil como fazer pão. Tem que ter paciência e saber que tem uma hora, um processo, que não depende de nós, que é lá com ele e sua vida íntima. E que não é garantido. Mais ainda, é preciso saber que, ainda que tudo dê certo, pão pronto e saboroso, nossa fome não finda nele. A de momento, talvez, mas ela se renova.

 Amar é como cozinhar, ainda, porque se precisa dos ingredientes certos. Mas o certo não é, necessariamente, o óbvio. Alguém diz: ingredientes frescos! e logo penso em juventude e a pergunta: só os jovens amam? Porque é o que parece em tantas revistas e filmes mainstream, todos com a viçosa pele esticada e nenhuma bagagem. Mas aí eu lembro do queijo, do vinho, da carne de sol, tantos que são mais saborosos e intensos depois que o tempo faz sua parte. Amar é também para os que já tiveram seu sabor modificado pelos anos, pelas perdas, pelos sustos, pelos anseios, pelos medos, sim e pelas alegrias, pelas conquistas, pelo gozo, pelo suave apreciar do tempo passando ou pela ansiosa pressa de chegar antes dele. Bom, os ingredientes têm que combinar, outro insiste e eu concordo. Mas combinar é o quê? Sal com sal? Mas e o porco com abacaxi? O salmão com maracujá? O mais gostoso não é justamente quando a boca se surpreende num sem saber de gostos? Eu acho. Por isso gosto tanto de beijar. E comer. Por causa do inesperado.

E, tem, claro, a constatação que, nos dois casos, cozinhar e amar, insistimos nas receitas, mas suspeitamos, bem  lá no fundo, que isso é mesmo: mão. E seguimos na peleja: atenção, cuidado, autonomia, desejo, momentos a dois, momentos cada qual no seu cada qual e uma lista interminável de duas xícaras disso e três colheres daquilo. E, às vezes, a comida está feita, receita seguida, tudo no lugar…e tão sem gosto! Outra hora é o excesso que faz o particular: pimenta demais, sal de menos, cozido demais, ficou pouco tempo no forno e tá duro e, ainda assim, com todos os poréns, dá água na boca e sacia.

Isso de se cozinhar é preciso ter vontade, como amar. E aceitar as limitações. E improvisar o omelete quando não há nada em casa a não ser temperos, ovo e um restinho de queijo. No amor, como na cozinha, os sentidos fazem a festa e é isso de ver-se e cheirar-se e lamber-se e saber a textura. Na cozinha, como no amor, o feito na hora tem vantagens, mas descobrir aquele bilhete, opa, aquele pedaço de torta na geladeira, meio esquecido atrás da garrafa d’água quando se está com desejo de doce, ai ai, é de deixar a perna meio bamba e acelerar o coração.

Resumindo, o resultado do amar é um monte de alteração no metabolismo, tal qual o resultado de cozinhar. E nisso de estrela, cerveja, suspiros e perguntas – em forma delirante como “ai, quando, quando e quando” daí a um o apressado come cru, (como minha avó alertava), mas eu gosto de sushi, retruco eu mesma – nisso de estrelas e fome e lembranças do que ainda nem sei se será, veio-me Adélia e é a receita que tenho a partilhar hoje:

"Alimento da fome que desejo perpétua
Jonathan é minha comida"

Nenhum comentário:

Postar um comentário